Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

O dia da paz

· ​O Papa Francisco em Assis convida os homens e as mulheres de boa vontade de todo o mundo à oração e à penitência ·

O Papa Francisco está em Assis para o dia de oração pela paz com os chefes religiosos de todo o planeta, trinta anos depois do histórico encontro convocado por João Paulo II na cidade de são Francisco a 27 de outubro de 1986. Na manhã de terça-feira, 20 de setembro, o Pontífice chegou de helicóptero a Santa Maria dos Anjos indo a seguir ao sacro convento, onde se uniu com os representantes de Igrejas, confissões e religiões provenientes de todas as partes do mundo para dar vida ao encontro «Sede de paz. Religiões e culturas em diálogo», inaugurado no dia 18. Depois de os ter saudado individualmente o Papa almoçou com eles e com um grupo de refugiados provenientes de países que vivem a trágica experiência da guerra.

E precisamente ao drama destas «terras onde dia e noite as bombas caem» e «matam crianças, idosos, homens, mulheres», Francisco fez referência na missa celebrada em Santa Marta no início da manhã, antes de deixar o Vaticano com destino a Assis. «Não podemos fechar os ouvidos ao grito de dor destes nossos irmãos e irmãs que sofrem» exortou, recordando que a guerra, mesmo se materialmente acontece longe das nossas latitudes, contudo está muito próxima» porque «toca todos» e «começa no coração».

Por isso, insistiu, «devemos rezar hoje pela paz»: não «para fazer um espetáculo» – esclareceu – mas para viver um «dia de oração, penitência, pranto», um dia para «ouvir o brado do pobre». Com efeito, Deus «é Deus de paz, não existe um deus de guerra: quem faz a guerra é o maligno, é o diabo, que quer matar todos». Eis por que «hoje o mundo terá o seu centro em Assis, mas será o mundo inteiro que reza pela paz» frisou o Pontífice, sugerindo a todos que dediquem «um pouco de tempo» à oração e à reflexão.

E a oração está no centro do encontro que abre a tarde do Papa em Assis. Francisco une-se aos demais representantes de Igrejas e confissões cristãs para uma celebração ecuménica na basílica inferior, enquanto cada grupo religioso reza em lugares diferentes. No final terá lugar a cerimónia comum na praça inferior de São Francisco, com a assinatura de um apelo pela paz.

Transmissão em direto de Assis 

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

17 de Novembro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS