Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

O descarte
é um bumerangue

· O Papa Francisco denuncia os males de uma globalização irresponsável ·

«Aqueles que causam ou permitem o descarte dos outros» tornam-se eles mesmos «máquinas sem alma, aceitando implicitamente o princípio de que também eles, mais cedo ou mais tarde, serão descartados». É contra este efeito “bumerangue” que o Papa quis alertar a sociedade contemporânea, falando na manhã de 14 de janeiro a uma delegação da Global Foundation.

No seu discurso, o Pontífice denunciou como «inaceitável, porque desumano, um sistema financeiro que descara homens, mulheres e crianças, porque eles já parecem não ser úteis segundo os critérios de rentabilidade das empresas ou de organizações». De resto, «precisamente este descarte das pessoas constitui o regresso e a desumanização» de todos os sistemas políticos e financeiros que põem «no centro o deus dinheiro». Por isso, Francisco convidou a usar «inteligência e recursos» para «curar os males produzidos por uma globalização irresponsável».

Reunidos em Roma para uma mesa redonda destinada «a encontrar caminhos certos, capazes de levar a uma globalização “cooperativa” isto é, positiva, oposta à globalização da indiferença», os membros da fundação são chamados a dar a sua contribuição a fim de que «instituições, empresas e representações da sociedade civil» possam «alcançar concretamente os objetivos e obrigações internacionais solenemente declarados e assumidos, como os da Agenda 2030 para o desenvolvimento sustentável».

Já João Paulo II, em 1991, «diante da derrocada de sistemas políticos opressivos e da progressiva integração dos mercados, alertava contra o risco de que se propagasse em toda a parte a ideologia capitalista». E infelizmente, constatou o Papa, «os riscos temidos verificaram-se amplamente». Mas ao mesmo tempo, observou, também se «desenvolveram e realizaram muitos esforços de indivíduos e instituições» no rumo oposto, como testemunha o exemplo de Teresa de Calcutá, que «representa e resume tais esforços».

Discurso do Papa

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

20 de Agosto de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS