Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

O advogado Jesus

· Na audiência geral o Papa Francisco convida a meditar sobre a figura do Salvador como defensor do homem ·

E no final do encontro dirige o pensamento às vítimas do tremor de terra no Irão e Paquistão, e manifesta solidariedade aos operários que correm o risco de perder o trabalho

«Jesus é o nosso advogado». Recorre a esta metáfora o Papa Francisco, para explicar o papel de defensor do homem, desempenhado pelo Salvador, aos oitenta mil fiéis presentes hoje de manhã, quarta-feira 17 de Abril, na praça de São Pedro para participar na audiência geral. «Quando alguém é chamado pelo juiz ou tem uma causa — disse o  Papa — a primeira coisa que faz é chamar o advogado para que o defenda. Nós temos um, que nos defende sempre, defende-nos das ameaças do diabo, defende-nos de nós mesmos e dos nossos pecados». E convida a não termos medo de nos dirigir a Ele, quer para pedir perdão e misericórdia, quer para pedir que sejamos defendidos, porque «é o nosso advogado: defende-nos sempre! Não esqueçais isto».

Depois, referindo-se ao acontecimento da ascensão, narrado pelo evangelista Lucas, o Pontífice apresenta a figura de Jesus como «um chefe de grupo, quando se escala uma montanha, que chega ao cimo e nos puxa para si, conduzindo-nos para Deus». Isto é, indica-nos qual é o caminho que devemos seguir. «Em Cristo, verdadeiro Deus e verdadeiro homem, a nossa humanidade foi elevada a Deus; Ele abriu-nos a passagem» e intercede por nós. «Este — especificou — é um primeiro ponto importante: Jesus é o único e eterno Sacerdote que, com a sua paixão, atravessou a morte e o sepulcro, ressuscitou e subiu ao Céu; está junto de Deus Pai, onde intercede sempre a nosso favor».

E isto, esclareceu em seguida, é valido também quando não o vemos. Com efeito, a ascensão «não indica a ausência de Jesus, mas diz-nos que Ele está vivo no meio de nós de modo novo; já não se encontra num lugar determinado do mundo, como era antes da ascensão; agora encontra-se no senhorio de Deus, está presente em cada espaço e tempo, próximo de cada um de nós». Daqui deriva a certeza de que  «na nossa vida nunca estamos sozinhos: temos este advogado que nos espera, que nos defende».

Saudando os grupos presentes, o Papa saudou calorosamente os jovens, recordando que «não se pode compreender um jovem sem entusiasmo!». Depois, manifestou solidariedade a um grupo de operários de Sassari em dificuldade, embora não estivessem presentes na audiência, por causa de um atraso aéreo. Por fim, dirigiu uma prece a Deus pelas vítimas do tremor de terra no Irão e Paquistão, manifestando-lhes a sua proximidade.

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

27 de Janeiro de 2020

NOTÍCIAS RELACIONADAS