Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

​O Abraço dos últimos

O testemunho de paz que, a partir de Janeiro, Letizia, Marcello e Carlo levarão pelas estradas de Bagdad e o acolhimento dos últimos nas três novas casas acabadas de abrir nos camarões, Nepal e Grécia. Eis as duas prendas de Natal que a comunidade João XXIII, fundada pelo padre Oreste Benzi, apresentou ao Papa Francisco na manhã de sábado 20 de Dezembro durante o encontro na Sala Paulo VI.

Ma o verdadeiro, grande, dom foi o abraço deste «povo dos pobres e dos últimos» que vê juntos marginalizados, pessoas que viveram na sua pele os dramas da prostituição, da prisão, da droga. E esta manhã, diante de Francisco, estiveram Joy, uma jovem nigeriana de vinte e seis anos que foi obrigada a prostituir-se, e uma família rom «que deram voz às tantas histórias de dor que se tornam esperança».

Sem rodeios, Joy contou que foi vendida pelo pai e acompanhada, com o engano, à periferia de Turim. Obrigada pelos seus algozes a vender o seu corpo na estrada, «depois de um ano e meio fiquei grávida e os meus algozes queriam que abortasse: opus-me com toda a energia». Aquela menina tornou-se mais uma arma de chantagem nas mãos de quem mantinha Joy prisioneira. Mas quando percebeu que também a pequena estava em perigo, a mulher decidiu fugir pedindo ajuda a Luca, um voluntário da comunidade João XXIII que há dois anos lhe propunha a mudança de vida indo visitá-la na estrada e recitando com ela o rosário. «Hoje trabalho como assistente de uma pessoa deficiente – contou Joy – e tenho uma casa onde vivo com a minha filha».

Foi também um punho no estômago da superficialidade o testemunho de Daniele Dragutinovic, acompanhado pela esposa Mira e os filhos Natasha, Walter, Marcela, Miriam e Valeria. Esta família rom viveu em campos de periferia cheios de lama e no meio de ratos e empilhados no carro num estacionamento. Sem serviços de género algum. Daniele não esconde que também foi preso e admite: «Eu ia roubar para dar de comer aos meus filhos e a minha esposa lia a mão». Também para eles, precisamente como aconteceu com Joy, foi o encontro com um voluntário da comunidade João XXIII que levou à mudança decisiva. Agora esta família encontrou um lugar onde viver, no «Villaggio della gioia» em Forlì.

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

20 de Agosto de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS