Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Nunca se resignar

· ​Com a passagem pelo bairro das Casas brancas e com o encontro na catedral o Pontífice deu início à visita a Milão ·

A visita a três famílias nas casas populares de um bairro periférico, o encontro com o clero ambrosiano na catedral, no coração eclesial da diocese, e o almoço com os presos do cárcere de San Vittore: assim se realizou, com a habitual atenção privilegiada aos últimos, a primeira parte da viagem do Papa Francisco a Milão.

O Pontífice passou todo o sábado, 25 de março, solenidade da Anunciação do Senhor, na capital lombarda, onde chegou de manhã cedo.

Com o passar das horas a neblina deu espaço a um lindo sol primaveril que favoreceu uma grande participação. Multidão de milaneses aglomeraram-se ao longo das ruas percorridas pelo cortejo papal; a partir do aeroporto de Linate até às Casas brancas do bairro Forlanini; da centralíssima praça da Catderal até à prisão de San Vittore.

No primeiro discurso pronunciado em terra ambrosiana, para a sua reflexão Francisco inspirou-se nos dons recebidos: uma estola e uma imagem mariana venerada na paróquia de São Galdino, à qual está confiado o cuidado das almas das casas populares. A estola, confidenciou, «recorda-me que venho como sacerdote. Ela não foi comprada pronta, mas confecionada por alguns de vós. Isto recorda que o sacerdote cristão é escolhido pelo povo e está ao serviço do povo». A imagem de Nossa Senhora recorda que «a Igreja tem sempre necessidade de ser “restaurada”, porque é formada por nós, pecadores. Deixemo-nos restaurar por Deus, pela sua misericórdia, especialmente na quaresma». Sucessivamente, na catedral Francisco dialogou com os presentes, respondendo às perguntas de um sacerdote, de um diácono e de uma religiosa, em representação das respetivas categorias.

Aos sacerdotes recomendou que não percam «a alegria de evangelizar» nem temam «os desafios» porque «é bom que existam» dado que «fazem crescer. São sinal de uma fé viva, de uma comunidade que busca o Senhor e mantém olhos e corações abertos». Aos diáconos recordou que «não há serviço no altar, não há liturgia que não se abra ao serviço dos pobres, e não há serviço dos pobres que não conduza à liturgia»; assim como «não há vocação eclesial que não seja familiar». Às religiosas recomendou que jamais se resignem. Aliás, exortou, «se caímos na resignação, afastamo-nos da misericórdia, e devemos ir ter imediatamente com alguém, com o Senhor para pedir misericórdia, a fim de que nos restaure e nos conceda a paz».

Por fim, Francisco visitou a prisão de San Vittore, a qual nunca tinha recebido um Pontífice, e partilhou a refeição com cerca de cem presos. Na parte da tarde, celebrou a missa no parque de Monza.

Discurso do Papa aos habitantes das Casas brancas

Diálogo com o clero e os religiosos  

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

26 de Abril de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS