Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Novos espaços e responsabilidades

· Ao Centro italiano feminino o Pontífice fala da mulher na Igreja e na sociedade ·

Na Igreja e na sociedade abrem-se às mulheres «novos espaços e responsabilidades», que devem ser ulteriormente ampliados e valorizados. Contudo, sem esquecer que «a contribuição do génio feminino permanece imprescindível» sobretudo no âmbito da família, frisou o Papa no discurso dirigido às participantes no congresso nacional do centro italiano feminino, recebidas em audiência na manhã de 25 de Janeiro na sala Clementina.

Recordando as profundas transformações culturais e sociais das últimas décadas na identidade e no papel da mulher, Francisco evocou o «discernimento» fundamental promovido neste âmbito pelo magistério dos Papas, em especial mediante a carta apostólica de 1988 Mulieris dignitatem de João Paulo II. Neste sulco — disse — «recordei a contribuição indispensável da mulher para a sociedade, em particular com a sua sensibilidade e intuição em relação ao próximo, ao frágil e indefeso; alegrei-me ao ver muitas mulheres compartilhar certas responsabilidades pastorais com os sacerdotes no acompanhamento de pessoas, famílias e grupos, assim como na reflexão teológica; e desejei a ampliação dos espaços para uma presença feminina mais minuciosa e incisiva na Igreja».

Embora nestes campos a contribuição do «génio feminino» seja importante, contudo não se deve descuidar o «papel insubstituível da mulher na família», pois — explicou — «os dotes de delicadeza, sensibilidade e ternura peculiares, presentes como riqueza no espírito feminino, representam não apenas uma força genuína para a vida das famílias, para a propagação de um clima de serenidade e harmonia, mas uma realidade sem a qual a vocação humana seria irrealizável». E a família, esclareceu, «para os cristãos não é simplesmente um lugar particular, mas é a «igreja doméstica», cujas saúde e prosperidade são condições para a saúde e prosperidade da Igreja e da própria sociedade».

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

22 de Agosto de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS