Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Nenhum medo se Deus chamar

· Angelus do Papa na vigília do Dia mundial do doente ·

Os bons votos aos povos do Extremo Oriente que festejam o ano novo lunar

O homem não é «autor da própria vocação», mas «dá resposta à proposta divina». Por isso, se Deus chamar  «a debilidade humana não deve causar medo», recomenda o Papa convidando a «ter confiança na sua força que age precisamente na nossa pobreza» e a «confiar cada vez mais no poder da sua misericórdia, que transforma e renova».

Comentando o trecho evangélico da chamada dos primeiros discípulos, Bento XVI recordou aos fiéis presentes no Angelus de domingo 10 de Fevereiro, na praça de São Pedro, que Deus «não olha tanto para as qualidades dos eleitos, como para a sua fé». Não é por acaso que Simão, ao Senhor que o convida a pescar, garante: «Segundo a tua palavra, lançarei as redes». Uma experiência emblemática, na opinião do Pontífice, «da chamada de cada apóstolo do Evangelho, que nunca deve desanimar no anúncio de Cristo a todos os homens, até aos confins do mundo».

No final da prece mariana, antes de saudar os vários grupos linguísticos presentes, o Papa dirigiu bons votos aos povos do Extremo Oriente  que festejaram o ano novo lunar. Depois, recordou o Dia mundial do doente, que se celebra hoje no Santuário mariano de Altötting, na Baviera.

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

17 de Outubro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS