Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

​Não-violência como estilo

· ​Mensagem do Papa para o dia mundial da paz ·

A «não-violência ativa e criativa» como «estilo de vida» está no centro da mensagem do Papa para o quinquagésimo dia mundial da paz, que se celebra a 1 de janeiro de 2017.

Apresentado na Sala de Imprensa da Santa Sé na manhã de 12 de dezembro, o documento pontifício recorda antes de mais as origens desse dia, instituído há meio século por Paulo VI. Portanto, deseja «que sejam a caridade e a não-violência a guiar o modo com o qual nos tratamos uns com os outros nas relações interpessoais, sociais e internacionais». De facto – esclareceu imediatamente o Papa Bergoglio – «quando sabem resistir à tentação da vingança, as vítimas da violência podem ser os protagonistas mais credíveis de processos não-violentos de construção da paz». Eis então os votos que «desde o nível local e diário até ao da ordem mundial», a não-violência possa tornar-se «o estilo característico das nossas decisões, das nossas relações, das nossas ações, da política em todas as suas formas».

Partindo da constatação de que a humanidade hoje vive num «mundo fragmentado» mas que «também Jesus viveu em tempos de violência», o Pontífice evidenciou que «ser discípulos verdadeiros» de Cristo hoje significa «aderir também à sua proposta de não-violência», a qual não obstante às vezes seja entendida «no sentido de rendição, remissão e passividade», na realidade é muito «mais poderosa do que a própria violência». Testemunharam-no figuras extraordinárias como Teresa de Calcutá ou «os sucessos obtidos por Mahatma Gandhi e Khan Abdul Ghaffar Khan na libertação da Índia e por Martin Luther King Jr contra a discriminação racial»; ou ainda a vicissitude de Leymah Gbowee e das mulheres liberianas «que organizaram encontros de oração e protesto não-violento para a conclusão da segunda guerra civil» no país africano. Entre outros aspetos, o Papa observou que «se a origem da qual brota a violência é o coração dos homens, então é fundamental percorrer a senda da não-violência em primeiro lugar no âmbito da família».

Mensagem do Papa para o dia mundial da paz

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

18 de Novembro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS