Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Não excluir ninguém

· ​Às Nações Unidas o Papa indica como prioridade a salvaguarda do ambiente e a protecção de débeis e pobres ·

Salvaguarda do meio ambiente e luta à exclusão: são as duas prioridades indicadas na sexta-feira 25 por Francisco da tribuna mundial das Nações Unidas. Dois âmbitos que ele considera «intimamente unidos entre si», transformados «em partes frágeis da realidade» das «relações políticas e económicas preponderantes». Por isso, desejou, «é necessário afirmar com vigor os seus direitos, consolidando a protecção do ambiente e pondo fim à exclusão».

Durante a visita que teve lugar de manhã ao Palácio de vidro de Nova Iorque o Pontífice definiu as iniciativas da Onu «luzes que contrastam a obscuridade da desordem causada pelas ambições incontroladas e pelos egoísmos colectivos». Mesmo afirmando estar «certo de que são ainda muitos os graves problemas não resolvidos», observou «que se tivesse faltado toda esta actividade internacional, a humanidade teria podido não sobreviver ao uso incontrolado das suas potencialidades». Eis por que a homenagem a quantos «serviram com lealdade e sacrifício a humanidade inteira nestes setenta anos», e os votos de uma reforma dos órgãos executivos e financeiros para evitar abusos em desvantagem dos países em vias de desenvolvimento.

Em seguida, o Papa rezou diante do memorial Ground Zero. Um lugar de morte, assim o definiu, «que se transforma num lugar de vida, de vidas salvas». Um lugar que simboliza a vontade de renascimento de um inteiro povo, unido além das diferentes confissões. E aos chefes das várias religiões professadas nos Estados Unidos, que se uniram a ele, pediu que sejam «profetas de reconciliação».

À tarde visitou uma escola de Harlem que acolhe filhos de imigrantes. Às crianças disse «que nem sempre é fácil ter que se deslocar e encontrar uma nova casa, novos vizinhos e amigos. Mas é preciso começar. O aspecto positivo é que encontramos pessoas que nos abrem as portas e nos mostram a sua ternura, amizade, compreensão, e procuram ajudar-nos para que não nos sintamos estranhos, estrangeiros». Por fim, o último dia em Nova Iorque conclui-se com a missa no Madison Square Garden.

Na manhã de sábado 26 Francisco chegou a Philadelphia, etapa conclusiva da viagem. Na Pennsylvania além de se encontrar com a comunidade local, presidiu às celebrações conclusivas do oitavo encontro mundial das famílias.

Discursos do Papa

Em streaming 

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

23 de Julho de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS