Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Não à autorreferencialidade

· ​Aos ressurrecionistas o Papa indicou o ícone de Madalena ·

Maria Madalena e as outras que vão com ela ao sepulcro são «mulheres “em saída”, sabem arriscar»: por esta razão o Papa Francisco propôs «a apóstola dos apóstolos» como ícone para a congregação da Ressurreição de Nosso Senhor Jesus Cristo, recebendo no sábado 24 de junho, os participantes no capítulo geral do instituto religioso.

«Filhos espirituais de Bogdan Jański, apóstolo dos polacos emigrados para França durante o século XIX, – recordou o Papa – escolhestes para este capítulo o tema “Testemunhas da presença do Senhor Ressuscitado: da comunidade ao mundo”». Daqui o convite a «ser homens a caminho, “em saída”, rumo às periferias humanas, onde é necessário levar a luz do Evangelho». Sobretudo o Pontífice recomendou que se viva o carisma fundacional «quer individualmente quer a nível comunitário, de modo particular ao longo das estradas da desilusão e do abandono».

Depois de ter recordado que ainda são numerosos «os que esperam» a «boa nova», Francisco sublinhou que não é «lícito privá-los dela. Se a ressurreição de Cristo é a nossa maior certeza e o tesouro mais precioso, como é possível não correr para a anunciar aos outros?», questionou-se, acrescentando: «E uma forma concreta para a manifestar é a vida fraterna em comunidade». Aliás, acrescentou, «o próximo é um dom que não pode ser manipulado nem desprezado; um dom a ser acolhido com respeito, porque nele, especialmente se é débil e frágil, é Cristo que vem ao meu encontro». A este propósito o Papa exortou também os ressurrecionistas «a ser construtores de comunidades evangélicas e não seus meros “consumidores”; a assumir a vida fraterna na comunidade como a primeira forma de evangelização», com o auspício conclusivo «que as comunidades sejam abertas à missão e rejeitem a autorreferencialidade».

Sucessivamente, o Papa encontrou-se com uma delegação de dirigentes e atletas da Federação italiana de natação, por ocasião dos cinquenta e três anos do Troféu Sette Colli que decorreu em Roma de 23 a 25 de junho. «Em contacto com a água, disse-lhes no seu discurso – aprendei a sentir repugnância em relação a tudo o que polui, no desporto e na vida».

Aos capitulares da congregação da Ressurreição de Nosso Senhor Jesus(link)

A uma delegação dos dirigentes e atletas da Federação italiana de natação  

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

25 de Agosto de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS