Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Nada pode justificar o uso de instrumentos de extermínio

· O Papa Francisco condenou o ataque em Duma que causou mais de cem vítimas e dezenas de feridos ·

«Chegam da Síria notícias terríveis de bombardeamentos com dezenas de vítimas, das quais muitas são mulheres e crianças. Notícias de tantas pessoas atingidas pelos efeitos de substâncias químicas contidas nas bombas. Rezemos por todos os defuntos, pelos feridos, pelas famílias que sofrem. Não há uma guerra boa e outra má e nada pode justificar o uso de tais instrumentos de extermínio contra pessoas e populações inermes». Com estas palavras, ontem no Regina caeli, o Papa Francisco condenou o ataque químico ocorrido na madrugada de sábado em Duma, a principal cidade do Ghouta oriental, que provocou mais de cem mortos e dezenas de feridos, alguns dos quais em condições gravíssimas. «Rezemos – disse o Pontífice – para que os responsáveis políticos e militares optem por outra via: da negociação, a única que pode levar a uma paz que não seja da morte e da destruição».

Os ataques em Duma teriam sido dois, ocorridos a pouca distância um do outro. O objetivo das operações seriam os últimos grupos de rebeldes do grupo Jaysh Al Islam. Há uma semana fora estabelecido um acordo entre Jaysh Al Islam e Damasco com base no qual os rebeldes, cercados, teriam podido utilizar um corredor de fuga para chegar a Idlib, outra localidade síria que não está sob o controle do exército de Assad. Todavia, há poucos dias o entendimento falhou e os combates recomeçaram. Na tarde de sábado – segundo as reconstruções jornalísticas – as tropas de Assad teriam iniciado bombardeamentos na área de Duma, ainda povoada densamente pelos civis que não tinham conseguido partir por causa dos conflitos. Poucas horas depois, os ataques químicos.

Os sintomas indicados pelos socorristas fazem pensar no uso de cloro no primeiro ataque. No segundo, ao contrário, supõe-se a utilização de uma mistura de gás sarin e neurotóxico. Contudo, no momento é impossível dizer com certeza quais materiais nocivos tenham sido usados. A maior parte das vítimas são mulheres e crianças: famílias inteiras exterminadas pelos gases nas próprias casas e nos refúgios. O ataque em Duma suscitou uma duríssima reação internacional.

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

25 de Junho de 2018

NOTÍCIAS RELACIONADAS