Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Na lógica de Deus não há espaço para o orgulho

· No Angelus o Papa exorta os fiéis a que continuem a rezar pela paz no Médio Oriente ·

Na «lógica de Deus» não há espaço para o orgulho, «porque Ele é plenitude total e está inteiramente propenso para amar e doar a vida». Recordou o Papa no Angelus de domingo 23 de Setembro, recitado com os fiéis reunidos no pátio do Palácio Apostólico de Castel Gandolfo.

Referindo-se ao episódio do evangelho de Marcos que narra o segundo anúncio da paixão, morte e ressurreição de Jesus, o Pontífice ressaltou a atitude de incompreensão com que ele é recebido pelos discípulos. Como confirmação de que «a lógica de Deus é sempre “outra” em relação à nossa». Por isso – explicou - «seguir o Senhor exige sempre do homem uma profunda conversão, uma mudança do modo de pensar e viver, exige que abra o coração à escuta para se deixar iluminar e transformar interiormente».

Há em particular há «um ponto-chave no qual Deus e o homem se diferenciam»: o orgulho. «Em Deus – afirmou Bento XVI – não há orgulho, porque Ele é a plenitude total e está inteiramente incline para amar e doar a vida». Nos homens, ao contrário, «o orgulho está intimamente radicado e exige vigilância constante e purificação. Nós, que somos pequenos, aspiramos por nos mostrarmos grandes, por ser os primeiros, enquanto Deus, que é realmente grande, não teme baixar-se e fazer-se último». Eis por que o convite a pôr-se na escola de Maria, que está «perfeitamente “sintonizada” com Deus», aprendendo dela «a seguir fielmente Jesus no caminho do amor e da humildade».

No final da oração mariana – depois de ter recordado o testemunho do sacerdote francês Louis Brisson, fundador das oblatas e dos oblatos de São Francisco de Sales, beatificado no sábado 22 de Setembro em Troyes – o Papa dirigiu expressões de saudação em diversas línguas aos grupos presentes. Aos franceses, em particular, expressou reconhecimento pela «oração que acompanhou o bom êxito da viagem apostólica ao Líbano, e por extensão a todo o Médio Oriente», acrescentando: «Continuai a rezar pelos cristãos médio-orientais, pela paz e pelo diálogo sereno entre as religiões».

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

16 de Setembro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS