Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Mulheres e crianças de Goma prisioneiros dos rebeldes congoleses

· Resolução da Onu contra as milícias responsáveis da retomada do conflito em Kivu do Norte ·

Depois de alguns dias de combates nas proximidades  de Goma,  capital da região oriental congolesa do Kivu do Norte, os rebeldes do Movimento de 23 de Março (M23) ontem conseguiram entrar na cidade, da qual se retiraram em seguida após aprisionar mulheres e crianças.  Segundo quanto foi referido por um porta-voz da Onu em Nova Iorque, os milicianos do M23 também «feriram civis, destruíram  propriedades e ameaçaram jornalistas e todos os que tentaram deter o seu avanço». As vanguardas dos rebeldes, guiadas pelo seu chefe Sultani Makenga, ex-general do exército, perderam o controle dos postos de fronteira com Ruanda na mesma  altura em linha de área com a cidade-gémea de Gisenji, para a qual já afluíram milhares de prófugos, e do aeroporto, que voltou sob o controle dos capacetes azuis da Onu. Na cidade, segundo fontes concordantes, não houve disparos: as tropas da Onu aparentemente retiraram-se com a entrada dos rebeldes.

O M23 é formado por ex-guerrilheiros que no dia 23 de Março de 2009 assinaram um acordo de paz e que foram incorporados no exército, até  desertar em massa no início deste ano, acusando o Governo de Kinshasa de não respeitar os pactos.

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

19 de Dezembro de 2018

NOTÍCIAS RELACIONADAS