Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

​Meninas vestidas de homem

Para proteger as suas filhas contra casamentos precoces, as famílias afegãs estão a elaborar uma estratégia: transformam as próprias filhas em bacha posh, que em dari, a principal língua do país, significa «vestidas de menino». Depois de cortar os seus cabelos à masculina, camuflam-nas com roupas masculinas de homem e mudam o seu nome de tal modo que, sobretudo nas áreas rurais, as meninas passem inobservadas numa sociedade que as considera pouco mais do que um bem material. No entanto, acontece que muitos pais, obedecendo a tradições tribais, decidem vendê-las por grandes quantias de dinheiro. Recentemente, o Institute of War and Peace Reporting (Iwpr) levou a cabo uma sondagem entre pais e anciãos dos conselhos tribais nas províncias de Balkh, Faryab e Jawzan, da qual sobressaiu que dentro das suas comunidades a maior parte das meninas se casam entre 9 e 14 anos, não obstante para a mulher, no Afeganistão, a idade mínima para contrair matrimónio é de 16 anos. A diretora do departamento para os assuntos femininos de Balkh declarou que «cada dia se verifica um novo caso de matrimónio infantil forçado». O Iwpr revelou que «as autoridades locais admitem que não são capazes de impedir este fenómeno», que não somente viola os direitos das crianças, mas também abre o caminho para a violência contra a mulheres. Segundo uma relatório de Human Rights Watch, a gravidez entre menores comporta também graves riscos e perigos de morte durante o parto. 

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

20 de Novembro de 2018

NOTÍCIAS RELACIONADAS