Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Mais oportunidades para as pessoas autistas

· Mensagem do Pontifício Conselho para a pastoral no campo da saúde ·

Uma nova aliança entre os setores da saúde, social e educativo para a inserção das pessoas autistas em atividades laborais, a fim de aumentar a sua autonomia. São os votos de arcebispo Zygmunt Zimowski, presidente do Pontifício conselho para a pastoral no campo da saúde, por ocasião do dia mundial do autismo que se celebra a 2 de abril.

Tendo chegado à nona edição, a iniciativa tem por objetivo aumentar a consciencialização e a sensibilização sobre uma problemática de grande atualidade, que diz respeito também aos pesquisadores, educadores, técnicos da reabilitação psiquiátrica, agentes pastorais e sociais, professores. Numa mensagem com o título «artífices e testemunhas de esperança» o prelado diz estar ciente do facto de que «muitas vezes a fadiga diária, a desilusão. A desorientação, a ansiedade pelo futuro podem prevalecer sobre a esperança, que deveria animar sempre as famílias, os agentes da saúde e as associações científicas e de pesquisa, as instituições escolares, os voluntários e quantos, por vários motivos e de maneira sinérgica, estão ao lado das pessoas com transtorno do espectro autista».

Eis o motivo do convite a «estimular o compromisso neste setor, para o melhoramento dos serviços e para a promoção da pesquisa», assim como a «estar ao lado das pessoas autistas e dos seus familiares».

Para fazer isto, explica o presidente do dicastério vaticano, «estamos chamados a pôr a nossa confiança em Deus», sobretudo no nosso «tempo no qual se tem dificuldade de encontrar razões para ter esperança, e sobretudo face ao problema relativo aos transtorno do espectro autista, que muitas vezes levam tempo a serem diagnosticados, mas – sobretudo nas famílias – a ser aceites sem vergonha ou fechamentos na solidão».

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

16 de Outubro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS