Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

​As mães do Mare nostrum

· ·

«São as mães dos desaparecidos da nossa casa ou melhor do Mare nostrum», escreveu em «Mosaico di Pace» Tonio Dell'Olio. «São as mães dos milhares de migrantes que, impelidos pelo desespero, partiram do Norte da África sem nunca ter alcançado a outra margem, o outro porto. Pessoas que para nós correm o risco de ser apenas números: vinte e quatro mil desde 2000 até 2014, mais de 2800 no ano ainda em curso. Para as mães não podem ser números e por esta razão decidiram aprender a lição argentina das Madres de Plaza de Mayo: todas as quintas-feiras encontrar-se-ão das 18h00 às 19h00 numa praça de Roma, Palermo, Turim e Messina para caminhar em círculo silenciosamente deixando falar só os rostos das fotos dos seus filhos desaparecidos. Uma provocação para as nossas consciências e para as da Europa inteira que não permite corredores humanitários, que considera a mercadoria mais importante do que as pessoas, que não consegue adoptar medidas capazes de salvar vidas humanas. Prefere deixá-las à mercê das máfias que agradecem e lucram com o sofrimento dos mais pobres entre os pobres. Até agora parece que nenhum noticiário falou disto e por esta razão queremos contribuir para dar voz ao seu silêncio condigno que pede simplesmente piedade e justiça, memória e solidariedade, ou só uma lágrima».

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

14 de Outubro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS