Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Mães australianas discriminadas

Licenças de maternidade negadas, contratos anulados, obstáculos na carreira, retrocessões e demissões ligadas à maternidade. Segundo um recente relatório da Comissão dos direitos humanos, na Austrália o quarenta e nove por cento das mães é vítima de descriminações nos trabalhos durante a gravidez, quando está em licença maternidade ou quando volta para o emprego. Além dos danos económicos e à carreira, oitenta e quatro por cento das interessadas sofre de stress mental e físico. A descriminação atinge tanto as jovens empregadas como as profissionais. Do relatório também emerge que vinte e sete por cento dos homens que gozaram de licença paternidade, de um mês ou menos, foram vítimas das mesmas discriminações nos trabalhos.

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

18 de Agosto de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS