Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Liberdade religiosa cada vez menos garantida

· Relatório de 2014 de Ajuda à Igreja que sofre ·

Um agravamento geral da situação da liberdade religiosa e, em particular, dos cristãos, que se confirma a comunidade mais perseguida, o que emerge do Relatório de 2014 «Liberdade religiosa no mundo», apresentado ontem em Paris e hoje em Roma pela fundação de direito pontifício Ajuda à Igreja que Sofre (Ais). Num total de cento e noventa e seis países, em oitenta e um a liberdade religiosa é impedida, em vinte avalia-se praticamente ausente o direito de professar a própria fé (quatorze deles são de maioria muçulmana enquanto noutros seis as perseguições religiosas estão ligadas ao regime autoritário). Os cristãos permanecem a minoria religiosa mais atacada. Além disso, o dossier frisa com preocupação a tendência no Ocidente a confinar a fé «na esfera privada». Aumentam em geral os casos de anti-semitismo, enquanto muitos muçulmanos sofrem violências e perseguições exercidas por outros muçulmanos (ou por budistas como acontece à etnia rohingya em Myanmar).

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

19 de Setembro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS