Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

​Lettere dalle case chiuse

· ​O ensaio ·

A senadora Lina Merlin, juntamente com Carla Barberis, para defender a sua proposta de lei a favor da abolição dos prostíbulos, decidiu publicar (Lettere dalle case chiuse, Milano-Roma, Edizioni Avanti, 1955) as cartas que tinha recebido das prostitutas, quase todas favoráveis à abolição e sobretudo ao termo de uma prática que as forçava a este destino, ou seja, o registo por parte da polícia, que as impedia de reconstruir uma vida honesta. As cartas dão testemunho de vicissitudes penosas, mulheres derrotadas pela miséria ou pela prepotência dos parentes, interessados unicamente a explorá-las. Quase todas intensamente ligadas a um filho ou filha, que tiveram que confiar a famílias às quais devem enviar grande parte do seu salário, e só sonham poder levar uma vida honesta para voltar a ocupar-se da sua criança. «Salve-nos todas, deputado, e que nenhuma outra jovem entre nestes prostíbulos, como eu entrei, e que mais nenhuma deva ser explorada por ninguém, nem ameaçada inclusive pela polícia», conclui de modo eloquente uma jovem. Mas infelizmente nem sequer o fechamento dos prostíbulos foi suficiente para pôr fim à exploração. 

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

21 de Outubro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS