Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Joseph Ratzinger teólogo e pontífice

· Nas bancas no dia em que é celebrado o início sobre o pontificado ·

Como homenagem pelo genetlíaco de Bento XVI e pelo sétimo aniversário da sua eleição a sucessor de Pedro, «Il Sole 24 Ore» e «L'Osservatore Romano» prepararam um livro de 88 páginas intitulado Joseph Ratzinger teólogo e pontífice. A publicação será distribuída gratuitamente em anexo ao diário milanês de 24 de Abril, dia em que se comemora o início solene do pontificado e será também acessível no site de «Il Sole 24 Ore» em versão digital , enriquecida por conteúdos multimediais, inclusive em inglês e espanhol. Também nesta última língua o livro será editado a 26 de Abril na Espanha por «La Razón» , como inserção e no site do jornal de Madrid. Publicamos o texto do prefácio escrito pelo director do nosso jornal.

Quando, a 19 de Abril de 2005, Joseph Ratzinger com 79 anos foi eleito Papa –   em menos de um dia e no conclave mais numeroso da história – muitos se surpreenderam. Sobretudo por uma razão: a etiqueta de conservador tenaz, além do mais alemão, colada em quem por vinte e três anos tinha dirigido competentemente o antigo Santo Ofício e parecia destinado então a desempenhar um papel importante de grande eleitor na difícil sucessão de João Paulo II, que o tinha chamado para Roma e com o qual colaborou de modo estreito.

Eram previsões e expectativas distantes dos factos, assim como a imagem estereotipada, difundida por muitos mas na realidade não fundada. Certamente, o cardeal que saiu como Papa do conclave, que há tempos desejava retirar-se na sua Baviera para estudar a tempo inteiro, nada fez para ser eleito. Resumindo, tratou-se de uma viragem não procurada,   semelhante portanto àquela que em 1977 marcou a vida do brilhante teólogo de 50 anos – que quinze anos antes tinha chegado a Roma para participar nas sessões do concílio Vaticano II como consultor de um dos representantes mais importantes  do episcopado alemão  – a   nomeação para arcebispo de Munique e a quase imediata criação cardinalícia por parte de Paulo VI.

Por ocasião do octogésimo quinto aniversário de nascimento de Bento XVI, e do início do oitavo ano do seu pontificado, nasceu a ideia de reunir e actualizar neste pequeno livro alguns textos pouco conhecidos: um diálogo, leve mas não superficial, sobre laicidade e religião entre um ratinho (Armando Massarenti) e um elefantinho (Giuliano Ferrara), uma proposta de leitura das obras de Ratzinger – não especialista nem sistemática, mas inteligente e compreensiva – por parte  de uma historiadora (Lucetta Scaraffia), e enfim uma síntese cronológica da vida do teólogo que se tornou pontífice.

A iniciativa dos dois jornais que a promovem –  «Il Sole 24 Ore» e «L'Osservatore Romano»  –  deseja, sobretudo, contribuir para um primeiro conhecimento da figura e das obras de um intelectual que dedicou e dedica a sua vida à pesquisa incansável e inesgotável da verdade, num diálogo contínuo entre fé e razão, através de uma linguagem que quer falar a todos. Na ocasião de uma importante comemoração para a qual se pode aplicar os bons votos da liturgia bizantina, éis pollá éte,  modelado no latim ad multos annos: em palavras simples, para desejar ao Papa um feliz aniversário.

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

23 de Setembro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS