Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Jesus é o verdadeiro Natal

· No dia do seu aniversário o Papa encontrou-se com as crianças na sala Paulo VI antes da recitação do Angelus ·

Festa de aniversário com as crianças para o Papa Francisco. Na manhã de domingo 17 de dezembro, na sala Paulo VI, quase quatrocentas crianças assistidas pelos voluntários que trabalham no dispensário Santa Marta no Vaticano apresentaram as felicitações ao Pontífice pelos seus 81 anos. Com elas e com os seus familiares, Francisco passou quase uma hora, num clima de familiaridade e festa, animado pelo entusiasmo dos mais pequeninos.

«A alegria das crianças é um tesouro», frisou, dirigindo-se aos presentes. E, exortou, «devemos fazer tudo para que continuem a ser jubilosos, pois a alegria é como uma terra boa». Uma alma alegre, reiterou, «é como uma terra boa que faz crescer bem a vida, com bons frutos». Por isso, convidou a não entristecer os pequenos — «as crianças sofrem quando veem que existem problemas em casa, que os pais discutem», advertiu — e a encorajá-los a falar com os avós: com efeito, sem eles perdem-se «as raízes» e «a memória dos valores».

De alegria o Papa falou também no Angelus recitado imediatamente depois na praça de São Pedro. Aos fiéis — entre os quais havia numerosas crianças dos oratórios, das paróquias e das escolas católicas romanas, que trouxeram as pequenas imagens do Menino para a bênção — recordou que «a alegria do cristão não se compra, não se pode comprar; vem da fé e do encontro com Jesus Cristo, razão da nossa felicidade». E «quanto mais estivermos radicados em Cristo, quanto mais próximos estivermos de Jesus, tanto mais encontraremos a serenidade interior, até no meio das contradições diárias».

Isto significa que a alegria deve ser alimentada continuamente pela oração e pela ação de graças, «isto é, o amor reconhecido a Deus». Com efeito, Ele, explicou o Pontífice, «é muito generoso para connosco, e nós somos convidados a reconhecer sempre os seus benefícios, o seu amor misericordioso, a sua paciência e bondade».

No final da oração, depois de ter lançado um apelo a favor da libertação das religiosas raptadas na Nigéria, o Papa saudou as crianças presentes, dirigindo-lhes uma recomendação especial: «Quando rezardes em casa, diante do presépio com os vossos familiares — disse — deixai-vos atrair pela ternura do Menino Jesus, nascido pobre e frágil no meio de nós, para nos dar o seu amor». Este, afirmou, «é o verdadeiro Natal. Se tirarmos Jesus, o que permanece do Natal? Uma festa vazia. Não tiremos Jesus do Natal! Jesus é o centro do Natal, Jesus é o verdadeiro Natal!».

Às crianças assistidas pelo dispensário Santa Marta 

Angelus do Papa 

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

17 de Agosto de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS