Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Irei visitar-vos

· ​No Angelus o Papa garantiu a sua proximidade às populações da Itália central e anunciou que irá às regiões atingidas pelo sismo ·

O Papa Francisco visitará as populações atingidas pelo sismo que devastou a Itália central para levar «pessoalmente o conforto da fé, o abraço de pai e irmão e o apoio da esperança cristã». O próprio Pontífice deu o anúncio durante o Angelus recitado no domingo 28 de agosto com os fiéis na praça de São Pedro.

No final da oração mariana, antes de saudar os grupos presentes, o Papa desejou renovar a sua «proximidade espiritual» aos habitantes do Lácio, das Marcas e da Úmbria vítimas do sismo. «Penso de modo particular – disse – nas populações de Amatrice, Accumoli, Arquata e Pescara del Tronto, Norcia. Digo mais uma vez àquelas amadas populações que a Igreja compartilha o seu sofrimento e as suas preocupações».

Depois de ter convidado a rezar «pelos falecidos e pelos sobreviventes», Francisco pronunciou palavras de contentamento pela «solicitude com a qual as autoridades, as forças da ordem, a proteção civil e os voluntários continuam a trabalhar»: uma solicitude – frisou – que «demonstra como a solidariedade é importante para superar provações tão dolorosas». Neste espírito anunciou às populações das regiões atingidas: «Assim que for possível também eu espero poder visitar-vos».

Precedentemente o Pontífice tinha comentado as duas parábolas evangélicas propostas pela liturgia e centradas nos valores da humildade e da gratuitidade. «A história – evidenciou – ensina que o orgulho, o arrivismo, a vaidade, a ostentação são a causa de muitos males. E Jesus faz-nos compreender a necessidade de escolher o último lugar, isto é de procurar a pequenez e o escondimento». Eis, em particular, o convite a fazer-se «voz de quem não tem voz» e a «abrir o coração» partilhando «os sofrimentos e as ansiedades» de pobres, famintos, marginalizados, refugiados e de quantos «são descartados pela sociedade e pela prepotência dos mais fortes».

Depois do Angelus o Pontífice recordou a beatificação da irmã Maria Antonia de San José, na Argentina, e a celebração de 1 de setembro, dia mundial de oração pelo cuidado da criação.

Angelus do Papa

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

22 de Agosto de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS