Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Ir com disponibilidade ao encontro de Jesus

· Missa em Santa Marta ·

Deixemos que Jesus nos encontre «com pouca vigilância, abertos», a fim de que ele posso renovar-nos a partir do fundo da nossa alma. Foi o convite do Papa Francisco no início do tempo do Advento. O Pontífice dirigiu-o aos fiéis durante a missa celebrada na manhã de segunda-feira 2 de Dezembro, na capela de Santa Marta.

Começamos nestes dias, frisou, «um novo caminho de Igreja, um caminho do povo de Deus rumo ao Natal. E caminhamos para o encontro do Senhor». De facto, o Natal é  um encontro: não só «um evento temporal – especificou o Pontífice – ou uma recordação de algo bom. O Natal é algo mais. Nós vamos por esta estrada para encontrar o Senhor». Portanto, no período do Advento «caminhamos para o encontrar. Encontrá-lo com o coração, com a vida; encontrá-lo vivo, como ele é; encontrá-lo com fé».

Na verdade, não é «fácil viver com a fé», frisou o bispo de Roma. E recordou o episódio do centurião  que, segundo a narração do evangelho de Mateus  (8, 5-11), se prostrou  diante de Jesus para lhe pedir que curasse o seu servo. «O Senhor, na palavra que ouvimos – explicou o Papa – admirou-se com este centurião. Ficou surpreendido com a sua fé. Percorreu um caminho para se encontrar com o Senhor. Mas tinha-o feito com fé. Por isso não só se encontrou com o Senhor, mas sentiu a alegria de ter sido encontrado pelo Senhor. Este é precisamente o encontro que desejamos, o encontro da fé. Encontrarmo-nos com o Senhor, mas deixar também que ele nos encontre. É muito importante!».

Quando nos limitamos só a encontrar-nos com Ele, explicou, «somos nós – mas dizemos isto  entre aspas – os “donos” deste encontro». Quando ao contrário «deixamos  que ele se encontre connosco, é ele que entra dentro de nós» e nos renova completamente. «Eis – afirmou o Santo Padre –  o que acontece quando Cristo  vem: refazer tudo, refazer o coração, a alma, a vida, a esperança, o caminho».

Portanto, neste período do ano litúrgico, estamos a caminho para nos encontrar com o Senhor, mas também e sobretudo «para deixar que ele se  encontre connosco». E devemos fazê-lo com coração aberto, «para que ele se encontre comigo, me diga o que quer dizer, que nem sempre  é o que desejo que ele me diga!». Então, não nos esqueçamos que «ele é o Senhor e me dirá o que tem para mim» para cada um de nós, porque «o Senhor – frisou o Pontífice – não nos vê todos juntos, como uma massa: não, não! Ele olha para cada um de nós directamente nos olhos, porque o amor não é abstrato mas é concreto. Pessoa por pessoa. O Senhor, pessoa, olha para mim, pessoa». Eis porque deixar que o Senhor se encontre connosco significa definitivamente «deixarmo-nos amar pelo Senhor».

«Na oração no início da missa – recordou o Pontífice – pedimos a graça de  percorrer este caminho com algumas atitudes que nos ajudam. A perseverança na oração: rezar mais. A laboriosidade na caridade fraterna: aproximar-nos mais dos necessitados. E a alegria no louvor ao senhor». Portanto «comecemos este caminho com a oração, a caridade e o louvor, de coração aberto, para que o Senhor se encontre connosco». Mas, na conclusão o Papa pediu, «por favor, que nos encontre disponíveis, abertos!».

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

8 de Dezembro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS