Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Incentivo de esperança

· A visita do Pontífice a Estrasburgo ·

A visita ao Parlamento europeu em Estrasburgo a 25 de Novembro representou o primeiro encontro do Papa com a Europa no seu conjunto. Com a decisão de visitar a instituição democrática central da União europeia, ainda antes de ir a um Estado-membro, o Pontífice prestou homenagem ao sucesso que o processo de unificação teve até agora e à sua importância futura. Quando foi eleito, primeiro Papa não europeu depois de muitos séculos, numerosos observadores e comentadores pensaram que Francisco tivesse uma menor compreensão das questões europeias em relação aos seus predecessores. Ao contrário, a visita a Estrasburgo demonstrou que o Papa argentino não é minimamente alheio à Europa. Ao contrário, no seu discurso em Estrasburgo vê-se talvez uma maior percepção das realidades políticas da União de quanto nós europeus, com o nosso olhar interno, queremos admitir. Contudo, a visita e o discurso de Francisco foram sinais fortes do seu interesse, da sua preocupação e da sua estima pela Europa e pelo projecto de integração política.

Na sua análise, o Papa lançou importantes admoestações, quando indicou que a Europa dá «uma impressão geral de cansaço e de envelhecimento», que prevalecem «estilos de vida um pouco egoístas», «questões técnicas e económicas» em desvantagem «de uma autêntica orientação antropológica». Mas Francisco não se limitou a esta crítica, exortando também a Europa a aproveitar os seus dotes e capacidades e a utilizá-los para o bem do todo o mundo. Segundo o pontífice, a Europa deve ser um «precioso ponto de referência para toda a humanidade». Estas palavras fizeram-me recordar uma frase de Jean Monnet, o qual certa vez disse que a Europa deve ser uma contribuição para um mundo melhor. Do mesmo modo, o Papa desejou que a Europa seja um enriquecimento e, através da realização dos objectivos que se propôs, até um modelo para todas as regiões e homens deste mundo.

Diante dos euro-parlamentares Francisco descreveu sobretudo o homem, como pessoa, enquanto centro da unificação europeia. Sobre esta base, indicou na dignidade e nos direitos humanos o tema fundamental da política europeia. Fazendo referência ao lugar central da pessoa, recordou a importância das raízes cristãs em geral e da doutrina social da Igreja em concreto. E foi precisamente neste sentido que explicou as consequências da natureza da pessoa humana como ser individual e social: os direitos humanos contêm de facto tanto direitos individuais como direitos sociais, que dizem respeito ao bem comum.

Esta reflexão sobre a importância da pessoa levou-o ao apelo conclusivo: «Chegou o momento de construir juntos a Europa que roda não em volta da economia, mas em volta da sacralidade da pessoa humana, dos valores inalienáveis; a Europa que abraça com coragem o seu passado e olha confiante para o futuro a fim de viver plenamente e com esperança o seu presente».

Esta exortação a uma acção corajosa e responsável pelo futuro resume o que mais preocupava o Papa na visita a Estrasburgo: o seu discurso diante do Parlamento europeu foi uma «mensagem de esperança e de encorajamento» para todos os europeus e também um incentivo à Igreja, para que se comprometa com denodo a favor do «projecto Europa».

Reinhard Marx

Cardeal, Presidente da Comissão dos episcopados da Comunidade europeia

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

16 de Julho de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS