Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Homem de olhar penetrante

· Missa do Papa em Santa Marta ·

Quando falta a profecia, o clericalismo ocupa o seu lugar, o rígido esquema da legalidade que fecha a porta diante do homem. Daqui a oração para que, na perspectiva do Natal, se sinta o espírito da profecia no meio do povo.

O Papa Francisco, na missa celebrada na manhã de segunda-feira, 16 de Dezembro, na capela de Santa Marta, quis recordar que ser profeta é uma vocação de todos os baptizados. Fê-lo, como de costume, inspirando-se na palavra de Deus da liturgia do dia. O Pontífice repetiu as palavras do livro dos Números (24, 2-7.15-17b) que delineiam a figura do profeta, «oráculo de Balaam, filho de Beor e oráculo do homem com olhar penetrante; oráculo de quem ouviu as palavras de Deus». Eis – explicou – «é este o profeta»: um homem «que tem o olhar penetrante e que escuta e pronuncia as palavras de Deus; que sabe ver no momento e ir rumo ao futuro. Mas antes escutou a palavra de Deus». De facto «o profeta tem três momentos dentro de si». Antes de tudo «o passado: o profeta – disse o Santo Padre – está ciente da promessa e tem no seu coração a promessa de Deus, mantém-na viva, recorda-a, repete-a». Mas «depois observa o presente, o seu povo e sente a força do espírito para dizer uma palavra que o ajude a erguer-se, a prosseguir o caminho rumo ao futuro».

Portanto, continuou o Papa, «o profeta é um homem de três tempos: promessa do passado, contemplação do presente, coragem para indicar o caminho para o futuro». E recordou «o Senhor sempre conservou o seu povo com os profetas nos momentos difíceis, nos quais o povo se sentia desanimado ou abalado; quando o templo não existia; quando Jerusalém estava sob o domínio dos inimigos; quando o povo se questionava no seu íntimo; mas, Senhor, tu prometeste-nos isto e agora o que acontece?». A este propósito acrescentou: «Talvez tenha acontecido o mesmo no coração de Nossa Senhora, quando estava aos pés da cruz: Senhor, tu disseste-me que este seria o libertador de Israel, o chefe, que nos daria a redenção; e agora?».

Acontecia o mesmo «no tempo de Samuel, quando a palavra do Senhor era rara e as visões não eram frequentes. A legalidade e a autoridade». E isto acontecia porque «quando no povo de Deus falta a profecia, o vazio que deixa é ocupado pelo clericalismo. E exactamente este clericalismo questiona Jesus: com que autoridade realizas estas coisas, com que legalidade?». Assim «a memória da promessa e a esperança de ir em frente reduzem-se unicamente ao presente: nem passado nem futuro nem esperança». É como se para ir em frente valesse só o que é «presente», isto é «legal».

Certamente, explicou o Papa, «talvez o povo de Deus que acreditava, que ia rezar no templo, chorava no seu coração porque não encontrava o Senhor. Faltava a profecia. Chorava no seu coração como Ana, a mãe de Samuel, chorava pedindo a fecundidade do povo». A fecundidade, especificou o Pontífice, «que vem da força de Deus, quando ele desperta em nós a memória da sua promessa e nos impele para o futuro com a esperança. Este é o profeta. É o homem do olhar penetrante e que ouve as palavras de Deus».

O Papa Francisco concluiu a sua homilia propondo «uma oração nestes dias nos quais nos preparamos para o Natal do Senhor». Uma oração ao Senhor a fim de que – invocou – «não faltem profetas no teu povo. Todos nós, baptizados, somos profetas. Senhor, não nos esqueçamos da tua promessa; não não cansemos de ir em frente; não nos limitemos às legalidades que fecham as portas. Senhor, liberta o teu povo do espírito do clericalismo e ajuda-o com o espírito da profecia».

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

22 de Agosto de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS