Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

A guerra nunca é uma resposta

· No Angelus o Papa recorda a visita de sábado a Redipuglia e lança um apelo a favor da República Centro-Africano ·

A guerra é uma loucura «da qual a humanidade ainda não aprendeu a lição». Com a recordação da visita realizada no dia precedente a Redipuglia ainda viva no coração, também no Angelus de domingo 14 de Setembro o Papa Francisco voltou a falar dos conflitos «que ainda hoje estão a decorrer» em várias partes do mundo. 

Perguntando-se «quando aprenderemos esta lição» que a história continua a dar aos homens sem grandes resultados, convidou a «olhar para Jesus Crucificado a fim de compreender que o ódio e o mal são derrotados com o perdão e com o bem», e para entender de uma vez para sempre «que a resposta da guerra só faz aumentar o mal e a morte». A este propósito citou os «números assustadores» da Grande guerra - «fala-se de cerca de 8 milhões de jovens soldados mortos e de cerca de 7 milhões de pessoas civis» - e alguns dos dramas que afligem a humanidade neste particular momento histórico: como o actual conflito na República Centro-Africana, onde hoje (segunda-feira 15) começa oficialmente a missão querida pelas Nações Unidas para favorecer a pacificação do país e proteger a população civil. O Pontífice garantiu «o compromisso e a oração da Igreja católica» e encorajou «o esforço da Comunidade internacional», fazendo votos de que «a violência ceda o passo ao diálogo» e que «as facções opostas ponham de lado os interesses de parte e se comprometam a fim de que cada cidadão, seja qual for a etnia ou religião a que pertence, possa colaborar» para o bem comum.

Recordando a festa litúrgica da exaltação da Santa Cruz, o pensamento comovido do Papa Francisco dirigiu-se ainda «aos tantos irmãos e irmãs que são perseguidos e mortos por causa da sua fidelidade a Cristo», sobretudo «onde a liberdade religiosa ainda não está garantida ou plenamente realizada».

Por fim o Papa confiou à protecção da Virgem Maria os vinte casais que pouco antes tinha unido em matrimónio na basílica de São Pedro.

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

18 de Outubro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS