Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Gesto de extraordinário significado histórico e humano

· O Presidente da República expressa a saudação de agradecimento e afecto dos italianos ao Pontífice que deixa o sólio pontifício mas não Roma ·

Renovo a Bento XVI -  no final do seu mandato – a saudação agradecida e afectuosa dos italianos. Senti e sinto de o poder fazer em nome do povo e da nação, que este Pontífice não italiano amou sinceramente e acompanhou com simpatia constante e benevolência. Inclusive quantos estão mais distantes da Igreja e da prática religiosa, apreciaram a nobreza da busca e das contribuições de Bento XVI,  juntamente com a sua simplicidade e a sua descrição. Os anos do seu pontificado foram entre os mais serenos das relações entre a Igreja e o Estado do nosso país: sob o sinal do respeito recíproco e da vontade de colaboração. A dimensão social e pública – devido ao reconhecimento comum – do facto religioso foi ao longo destes anos vivida com o justo sentido do limite.

No sábado passado, a minha despedida pessoal de Bento XVI foi marcada por uma comoção íntima. Porque desde a minha primeira visita de Estado ao Vaticano e da sua, em retribuição, ao Quirinal,  se tinha estabelecido entre nós um sentido de afinidade que nos impelia a ir para além de qualquer oficialidade e formalidade. Contudo, eu não podia prever o nível de atenção e confidência que as nossas relações e os nossos encontros teriam alcançado.

Deste modo, pude compreender o seu sofrimento e trabalho nos momentos difíceis e de amargura para a Igreja; e a determinação serena em enfrentar as provações que se lhe apresentavam.

E tivemos a oportunidade de verificar uma proximidade franca relativamente às preocupações e aos nossos pontos de vista sobre os factos da Europa e do mundo. Estou-lhe grato pela estima e confiança que me demonstrou e pela sensibilidade com a qual ele se sintonizou com o meu compromisso fundamental a favor da unidade nacional.

Bento XVI renuncia – com um gesto de significado histórico e humano extraordinário – ao sólio pontifício, mas Roma não. Ele não se afasta da Itália. E nós continuaremos a senti-lo perto de nós e a estar ao seu lado com  uma alma esperançosa.

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

16 de Setembro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS