Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Futuro inesperado

· ​Na primeira audiência geral depois da Páscoa o Papa falou de Cristo ressuscitado esperança do homem ·

Com a sua ressurreição Jesus inverteu «o sentido da vida» concedendo ao homem, não obstante os seus «pecados» e os seus «insucessos» um «futuro inesperado». Foi a mensagem de misericórdia e esperança que o Papa Francisco, na primeira audiência geral depois da Páscoa, transmitiu aos fiéis presentes na praça de São Pedro na manhã de quarta-feira, 19 de abril.

O Pontífice entrou no núcleo da fé cristã, recordando que o anúncio pascal – «Jesus está vivo» – se relaciona com a vida concreta, na qual experimentamos desilusões e falências: o cristianismo «não é uma ideologia» nem sequer «um sistema filosófico, mas um caminho de fé», reafirmou Francisco.

Comentando o tema «Cristo ressuscitado nossa esperança», a partir de um trecho da primeira carta aos Coríntios (15, 1-5), o Papa fez uma comparação entre a vida de São Paulo – que «não era um ministrante mas um perseguidor da Igreja» – com a de cada crente: «Ali não havia apenas um homem caído no chão: havia uma pessoa arrebatada por um acontecimento que teria invertido o sentido da sua vida».

E acrescentou em seguida: «Como é bom pensar que o cristianismo é essencialmente isto! Não é tanto a nossa busca em relação a Deus — na verdade, uma procura tão vacilante», como «sobretudo a busca de Deus em relação a nós». De facto, «Jesus alcançou-nos, arrebatou-nos, conquistou-nos para nunca mais nos deixar». E isto oferece consolação a cada homem, esclareceu Francisco, atualizando a reflexão, não obstante «sejamos pecadores, se os nossos propósitos de bem permanecerem letra-morta, ou então se nos dermos conta de ter acumulado tantas derrotas». Inclusive porque – concluiu o Papa com uma imagem evocativa – Deus «faz crescer as suas flores mais bonitas no meio das pedras mais áridas».

Catequese do Papa  

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

23 de Agosto de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS