Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

​Francisco no Panamá para a Jmj

· Em oração diante da Salus populi Romani na basílica liberiana ·

Está tudo pronto no Panamá para receber o Papa, que na quarta-feira, 23 de janeiro, vai ao país centro-americano, onde até domingo 27, com os jovens de todo o mundo, viverá os momentos centrais da trigésima quarta Jmj. Esta é a vigésima sexta viagem internacional para Francisco, o segundo Pontífice que visita a terra panamense depois de João Paulo II, que lá esteve a 5 de março de 1983 durante uma peregrinação que incluiu outros países da América Central (Costa Rica, Nicarágua, El Salvador, Guatemala, Honduras, Belize e Haiti).

Será uma Jmj efetivamente mariana, como indica o tema escolhido: «Eis a serva do Senhor, faça-se em mim segundo a tua palavra (Lucas 1, 38)». E precisamente a fim de confiar a viagem à Virgem, na manhã de terça-feira 22, o Papa foi à basílica de Santa Maria Maior, onde rezou diante do ícone da Salus populi Romani, oferecendo uma homenagem floreal sobre o altar.

Milhares de rapazes e moças estão a chegar à capital panamense para dar as boas-vindas a Francisco, que chegará ao aeroporto de Tocumen por volta das 16h30 de quarta-feira (correspondentes às 22h30 na Itália). Muitos deles já foram protagonistas das iniciativas que cadenciaram nos dias passados a expetativa da chegada do Pontífice. Entre estas, o encontro mundial da juventude indígena, realizado de 17 a 21, e o congresso internacional sobre a salvaguarda da criação «Jovens pela casa comum: conversão ecológica em ação», que se concluiu com um “manifesto” no qual os jovens indicam à comunidade internacional alguns objetivos prioritários para limitar o aquecimento global, enfrentar a questão dos refugiados ambientais, proteger as populações indígenas e a biodiversidade, garantir o acesso à água e «superar o mito moderno do progresso material ilimitado».

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

19 de Outubro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS