Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

​Formação permanente
para os esposos

· O Papa aos participantes num curso sobre matrimónio e família ·

Formação e acompanhamento: eis os pilares da pastoral matrimonial que o Papa realçou na tarde de 27 de setembro, dirigindo-se na basílica de São João de Latrão aos participantes num curso para párocos, diáconos permanentes, esposos e agentes leigos comprometidos neste «campo apostólico vasto, complexo e delicado».

Promovidos pela diocese de Roma e pelo tribunal da Rota romana, os dias de estudo e reflexão – de 24 a 26 de setembro – no sulco da exortação Amoris laetitia e de todo o magistério do Pontífice, frisaram a urgência de um sério caminho de preparação para o matrimónio cristão. Com efeito, recordou o Papa, ele «não é só um evento “social”, mas um verdadeiro sacramento». Por isso, Francisco elogiou as dioceses que, em várias partes do mundo, «tomam iniciativas para tornar a pastoral familiar mais adequada à situação real» e «em primeiro lugar o acompanhamento dos noivos», através de «seminários e retiros, que comprometam como animadores não só sacerdotes mas casais de consolidada experiência e peritos nas disciplinas psicológicas».

Trata-se de uma praxe que deve prosseguir também depois das bodas, admoestou Francisco, reiterando a necessidade do «catecumenato permanente», capaz de “escoltar” «pelo menos os primeiros anos de vida conjugal». E a propósito dos casais «que experimentam problemas sérios no seu relacionamento e estão em crise», o Pontífice realçou a necessidade «de oferecer indicações apropriadas para empreender um processo de nulidade» e o desejo de que estas pessoas «possam encontrar nos bispos, nos sacerdotes e nos agentes pastorais o necessário apoio, que se exprime não só na comunicação de normas jurídicas, mas antes de tudo numa atitude de escuta e de compreensão». Por isso, o Papa alegra-se ao tomar conhecimentos de «tomar conhecimento de que muitos bispos e vigários judiciais acolheram e atuaram prontamente o novo processo matrimonial».

Enfim, Francisco desejou que se ampliem os horizontes da pastoral familiar, capaz de encontrar e acolher «os jovens que escolhem conviver sem se casar».

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

19 de Outubro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS