Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Fome de pão, de justiça e dignidade

· Durante a visita à favela da Varginha o Papa denuncia as intoleráveis desigualdades económicas e sociais ·

Aos jovens reunidos para a festa do acolhimento pede que ponham Cristo no centro da vida


Duas imagens comovedoras, uma infinidade de gestos, tantas indicações concretas para restituir ao mundo a esperança perdida. Foi intenso a jornada vivida pelo Papa Francisco, na quinta-feira 25 de Julho, onde nestes dias pulsa o coração jovem da Igreja, o Rio de Janeiro.

As imagens são as da ternura com a qual o Papa, na «casa» de Manoel José e Maria Luisa da Penha, na favela da Varginha, pega ao colo o último nascido e a que revela a comoção do Pontífice quando reza na capela da favela.

Os gestos consistem em abraços trocados continuamente com os habitantes da Varginha, na partilha com um jovem de alguns goles de uma bebida que lhe foi oferecida ao longo do percurso, na busca constante do contacto directo com a multidão, sem nada temer, na intensidade da oração diante da pequena estátua da Virgem Aparecida meio escondida numa banca nas estradas do bairro.

As indicações destinam-se antes de tudo aos poderosos da terra, para que assumam a responsabilidade de construir finalmente um mundo fundado na justiça social, no qual ninguém se sinta descartado. Depois aos jovens, convidados a nunca desanimarem face ao mal mas antes a responderem com o bem. «É agradável estar aqui» confessou precisamente a eles – reunidos em grande número na praia de Copacabana para a festa do acolhimento – recordando a felicidade de Pedro diante da transfiguração do Senhor. Ao contrário, a outros jovens, seus concidadãos, recordou que «a fé se assume no seu todo e não aos bocados. Assume-se Jesus inteiro e não uma parte». E recomendou-lhes que nunca abandonem a fé em Jesus Cristo e que «as bem-aventuranças são um programa de acção». Mas convidou-os  sobretudo a terem coragem de fazer ouvir a sua voz. «Eu quero – disse – que vos façais ouvir nas dioceses, quero que vocês vão, que a Igreja saia pelas estradas, que nos defendamos de tudo o que é mundanidade, imobilismo, do que é cómodo, do que é clericalismo».

E não deixou de dar indicações concretas também àqueles homens e mulheres de Igreja, aos bispos, aos sacerdotes, a todos os consagrados, para que não se esqueçam – afirmou celebrando a missa na residência – que são «vasos de argila» que conservam «o tesouro imenso que Deus nos deu».

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

21 de Fevereiro de 2020

NOTÍCIAS RELACIONADAS