Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Festa em família

· No seu 85º aniversário o Papa celebra a missa na Capela Paulina e recebe uma delegação da Baviera ·

Na homilia a recordação do baptismo recebido a 16 de Abril de 1927, Sábado santo

Festa de anos «bávara» para Bento XVI, que esta manhã, segunda-feira 16 de Abril, recebeu os bons votos pelos seus oitenta e cinco anos de uma numerosa delegação de autoridades civis e religiosas e de fiéis provenientes da sua terra de origem. Festa em família, portanto, para um dia que o Papa quis inaugurar com a missa na Capela Paulina, concelebrada por alguns dos seus colaboradores mais estreitos – entre eles o cardeal Bertone, secretário de Estado, e Sodano, decano do Colégio cardinalício, o qual lhe garantiu, em nome de todos os purpurados, a proximidade e a gratidão pelo seu «serviço de amor» - e por uma representação de cardeais, bispos e prelados alemães, entre os quais o irmão Georg.

Comovedora e inspirada a reflexão improvisada que o Pontífice pronunciou durante a homilia. Aberta por um pensamento grato aos dois santos – Bernadette Soubirous e Benedetto Giuseppe Labre – dos quais a Igreja celebra a memória litúrgica a 16 de Abril. A primeira, confidenciou, é o sinal que indica a água viva da qual cada cristão tem necessidade para se purificar. O segundo, mendigo pelos santuários europeus, mostra ao homem o essencial da vida: só Deus basta para derrubar e as fronteiras que impedem a irmandade entre os povos.

Passou em seguida às recordações pessoais: começando pela dos pais e de quantos o acompanharam durante a existência fazendo-lhe sentir a presença do Senhor. Que na singular coincidência entre o seu baptismo e o Sábado santo – disse – lhe mostrou o vínculo profundo entre nascimento e renascimento. Uma realidade mais forte do que qualquer ameaça ou adversidade, como o próprio Pontífice confidenciou sentir neste momento no qual vive a última etapa da existência. Ciente de que a bondade de Deus supera qualquer mal e ajuda a proceder com segurança pelo caminho da vida. O Papa manifestou um obrigado especial também à delegação da Baviera que recebeu sucessivamente na Sala Clementina. Antes de mais, pelas palavras do ministro-presidente que lhe recordaram os lugares onde cresceu; mas tamém pelos pensamentos suscitados pela menção do cardeal Reinhard Marx à beleza da fé de uma Igreja com a qual nunca deixou de se sentir profundamente ligado. Uma Igreja cujo rosto veio à mente graças à presença de tantos bispos. Assim como voltaram à mente os vínculos de amizade com os representantes de outras confissões cristãs e com a comunidade judaica. Por fim, o pensamento, talvez mais íntimo e pessoal, suscitado pelas músicas executadas pelo grupo folk. Havia nelas algo de familiar: o pai tocava com frequência com a a cítara a mesma melodia. «O Senhor saúda-te». Portanto, uma música que acompanhou a sua infância, que ainda hoje pertence ao seu presente, disse, como também ao seu futuro.

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

22 de Setembro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS