Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Fenómeno mundial

O panorama desenhado pelo Papa no tradicional discurso de início de ano aos embaixadores confirma que o olhar da Igreja de Roma sobre «este nosso mundo, abençoado e amado por Deus, embora atormentado e aflito por muitos males» tem uma óptica deveras planetária. E este ponto de vista mundial sabe abraçar com lucidez e igual esperança os dois fenómenos que mais inquietam e preocupam a comunidade internacional: por um lado, a vaga crescente da violência que usa e, por conseguinte, blasfema o nome de Deus, e por outro o drama que marca a maior parte da migração.

Perante estas emergências o Pontífice retoma o tema central da misericórdia, que está no âmago do Evangelho. Por esta razão, desde o início do seu pontificado Bergoglio insiste sobre isto, a ponto de ter proclamado um jubileu extraordinário da misericórdia que quis abrir na República Centro-Africana. Indicada como fio condutor das viagens internacionais do ano que acaba de terminar, é de facto a misericórdia que permite avançar juntos e repetir, como Francisco com os muçulmanos de Bangui, que «quem afirma acreditar em Deus deve ser também um homem ou uma mulher de paz».

Como os predecessores, Francisco hoje reafirma que «qualquer experiência religiosa vivida autenticamente só pode promover a paz» e condena mais uma vez atentados terroristas, massacres, violências que agridem obstinadamente pessoas inermes e indefesas, obrigando inteiras minorias – como os cristãos do Próximo e do Médio Oriente, recordados várias vezes pelo Pontífice – a êxodos dramáticos, e até «ao martírio devido unicamente à pertença religiosa». E impressiona no discurso papal o entrelaçamento destes fenómenos do nosso tempo com o ensinamento que vem das palavras das Escrituras judaicas e cristãs.

Já em 1952, na constituição apostólica Exsul familia que enfrentou amplamente o fenómeno migratório, Pio XII evocou a família de Jesus que procurava a salvação no Egipto como modelo e apoio de todos os refugiados que, «forçados pela perseguição ou pela necessidade, são obrigados a abandonar a pátria». Do mesmo modo, hoje o seu sucessor pede que se escute «o brado de Raquel que chora os seus filhos porque morreram», segundo as palavras proféticas de Jeremias retomadas pelo evangelista Mateus. A fim de enfrentar com humanidade e com coragem estes dramas mundiais.

g.m.v.

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

24 de Outubro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS