Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Entre índios
quechua e colorados

O movimento para a independência da América espanhola foi um «grito» de libertação para os povos do continente, «explorados, saqueados» e privados da liberdade. 

O terceiro dia do Papa Francisco no Equador iniciou em Quito no parque do Bicentenário, que celebra os dois séculos da emancipação das populações latino-americanas do jugo dos «poderosos do momento».

Na manhã de terça-feira 7 de Julho o Papa encontrou-se por cerca de uma hora com cinquenta bispos do país no centro das conferências. Num clima informal e familiar respondeu às suas perguntas em forma particular, e dos prelados recebeu em dom uma estátua de são Francisco com asas. Imediatamente depois o Pontífice celebrou a missa «pela evangelização dos povos» na presença de muitíssimos fiéis e do presidente da República. O parque, conhecido como o «pulmão de Quito», foi inaugurado só em 2013; inicialmente era o aeroporto internacional no qual aterrou também João Paulo II por ocasião da sua viagem em 1985. Realizado com critérios de sustentabilidade ambiental, é um espaço verde muito frequentado pelos quitenhos.

Gianluca Biccini

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

19 de Novembro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS