Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Entre dificuldades e solidariedade

· ​No centro da mensagem para o domingo do mar o compromisso humanitário pelo socorro dos migrantes ·

Histórias de sofrimento e de solidariedade cruzam-se diariamente nas águas do Mediterrâneo e das outras rotas de navegação. E a Igreja, ao celebrar no próximo dia 12 de Julho o domingo do mar, convida os cristãos de todo o mundo a não esquecerem o drama dos milhares de migrantes que procuram um futuro. Mas ao mesmo tempo deseja expressar atenção e gratidão também para com uma categoria de trabalhadores, a dos marítimos, que nos mares e nos oceanos enfrentam enormes dificuldades físicas e psicológicas. Uma realidade que no mundo diz respeito a um milhão e duzentas mil pessoas, às quais se dirige o Pontifício Conselho para a pastoral dos migrantes e itinerantes através de uma mensagem assinada pelo cardeal presidente, Antonio Maria Vegliò, e pelo bispo secretário Joseph Kalathiparambil. No documento deste ano expressa-se um reconhecimento especial pelo «grande esforço humanitário desempenhado pela tripulação das naves mercantis que, sem hesitar, e por vezes arriscando a própria vida, se ocuparam de numerosas acções de socorro salvando a vida de milhares de migrantes».

A dramática emergência que tem como teatro o Mediterrâneo acrescenta-se às enormes dificuldades que normalmente vivem os marítimos, trabalhadores quase «invisíveis» à maioria, mas que garantem a todos, «com o seu trabalho e sacrifícios», numerosas vantagens gerindo nas rotas de todo o mundo o transporte e a entrega de mercadorias de todos os géneros. Infelizmente, lê-se na mensagem, só nos apercebemos deles e «dos seus sacrifícios quando acontece alguma tragédia».

Ao apoiar todos os marítimos, o Pontifício Conselho expressa reconhecimento também «a todos os capelães e voluntários do apostolado do mar». Também o seu serviço é precioso: «a sua presença nos portos – lê-se na mensagem – é o sinal da Igreja» entre quantos trabalham no mar «e mostra o rosto compassivo e misericordioso de Cristo».

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

16 de Dezembro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS