Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Encontro com a alteridade

A arte nasce de um encontro com algo maior e mais forte que nós. Pode-se chamá-lo destino ou inspiração Todas as protagonistas deste número dedicado às mulheres e à arte encontraram esta alteridade, que lhes determinou a vida. Este encontro sugeriu-lhes como se tornarem agentes de transmissão da beleza aos seres humanos desfavorecidos, para lhes aliviar a condição de sofredores, ou inspirou a criação de obras que – quase de modo misterioso e apesar delas – revelam depois a sua natureza sagrada. Ou deste encontro consciente pode nascer uma verdadeira e própria criação arquitectónica e artística finalizada a construir a casa de Deus, pensada de modo consciente para fazer a sua presença mais perceptível aos seres humanos que entrarão nela. Também o modo como compreendemos as obras de arte tem uma história, que pode ser atravessada por revelações repentinas: como sugere uma releitura da famosíssima Piedade de Miguel Ângelo, que está em São Pedro, em um sentido simbólico feminino. Portanto, a arte é uma das vias que as mulheres percorrem para falarem de Deus e com Deus, uma das vias onde cada vez mais são protagonistas, tão importantes que não se podem esquecer ou marginalizar, como foi feito durante muito tempo. É uma prova que as mulheres pertencem – como os homens – à história de amor de Deus com a criação. Como recorda Barbara Hallensleben na linda reflexão teológica que publicamos este mês «a diferença entre o homem e a mulher tem a ver com a imagem que Deus nos revela de si próprio», e qualquer aprofundamento desta diferença conduz aos vestígios do mistério de Deus. Por isto, uma reflexão sobre o papel da mulher na arte – de modo especial em uma arte que se abre de modo consciente à espiritualidade – constitui um novo passo na descoberta de como esta diferença se torne espírito de criação e de representação da realidade humana e da sua relação com o divino. Neste caso – como em muitos outros – não se fala de abrir novas funções para as mulheres, mas somente de ver e de reconhecer o longo caminho que percorreram. (l.s.)

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

24 de Outubro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS