Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Em Sarajevo sob o sinal da paz

· No Angelus o Papa anuncia a viagem de 6 de Junho próximo e lança um novo apelo em defesa da vida desde a sua concepção até à sua morte natural ·

O Papa irá a Sarajevo no dia 6 de Junho próximo. Foi ele mesmo quem o anunciou durante o Angelus de domingo 1 de Fevereiro, na praça de São Pedro, pedindo aos fiéis que rezem a fim de que a sua visita «àquelas queridas populações seja de encorajamento para os fiéis católicos, suscite fermentos de bem e contribua para a consolidação da fraternidade, da paz, do diálogo inter-religioso e da amizade».

Ao anúncio da viagem – o terceiro que Francisco realiza num país europeu depois da visita à Albânia, a 21 de Setembro de 2014, e a Estrasburgo, no dia 25 de Novembro – seguiu-se um novo apelo em defesa da vida desde a sua concepção até à sua morte natural. Por ocasião do dia especial celebrado domingo na Itália sobre o tema «Solidários pela vida», o Pontífice quis unir-se aos bispos «para solicitar um renovado reconhecimento da pessoa humana e um cuidado mais adequado da vida».

Manifestando «apreço» às associações, aos movimentos e a quantos estão comprometidos neste âmbito, o Papa recordou que «quando nos abrimos à vida e servimos a vida, experimentamos a força revolucionária do amor e da ternura, inaugurando um novo humanismo: o humanismo da solidariedade, o humanismo da vida».

Precedentemente, Francisco, na reflexão sobre o trecho evangélico da pregação de Jesus na sinagoga de Cafarnaum, tinha recordado aos fiéis a necessidade de «ter um contacto quotidiano com o Evangelho», que é «palavra de vida: não oprime as pessoas, ao contrário, liberta quantos são escravos de muitos espíritos malignos deste mundo: o espírito da vaidade, o apego ao dinheiro, o orgulho, a sensualidade».

O Evangelho – recordou o Pontífice - «muda o coração, muda a vida, transforma as inclinações ao mal em intenções de bem. O Evangelho é capaz de mudar as pessoas». Portanto, a tarefa dos cristãos, é «difundir por toda a parte a sua força redentora, tornando-se missionários e arautos da palavra de Deus».

Texto integral do Angelus

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

24 de Outubro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS