Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Em prol de uma economia
centrada na dignidade humana

· ​O Papa voltou a denunciar o drama do desemprego ·

Um renovado convite a «desenvolver modelos de crescimento económico centrados na dignidade, na liberdade e na criatividade, pois são caraterísticas peculiares da pessoa humana» foi dirigido pelo Papa, na manhã de sábado 20 de maio, aos membros da fundação Centesimus Annus Pro Pontifice, recebidos na sala Clementina do Palácio apostólico. Francisco encontrou-se com eles por ocasião da conferência internacional realizada na Sala nova do Sínodo sobre o tema: «Alternativas construtivas numa época de incerteza global. Emprego e dignidade do indivíduo na era digital – Incentivos à solidariedade e à virtude cívica».

Apresentando os conteúdos da conferência no início da audiência, o presidente Domingo Sugranyes Bickel ilustrou também ao Pontífice as atividades concretas da fundação, em particular uma campanha de formação profissional lançada na Espanha para responder ao drama do desemprego juvenil e uma rede de ação solidária promovida em Londres para ajudar as pessoas a sair da crise com as próprias forças.

O Papa também centrou o seu discurso na «questão crucial da criação de trabalho no contexto da nova revolução tecnológica em curso» expressando preocupação «pelo grave problema do desemprego dos jovens e dos adultos». Um fenómeno, acrescentou ao texto preparado, «que já chegou a um nível muito grave», que está a adquirir «proporções verdadeiramente dramáticas quer nos países desenvolvidos» quer «nos em vias de desenvolvimento». Portanto, recomendou, deve «ser enfrentado com um sentido de justiça entre gerações e com responsabilidade para o futuro». Por conseguinte, prosseguiu o Pontífice, «os esforços para enfrentar o conjunto das questões relacionadas com o crescimento das novas tecnologias, com a transformação dos mercados e com as legítimas aspirações dos trabalhadores devem levar em consideração não só os indivíduos mas também as famílias». Sobretudo porque, – concluiu Francisco – como foi evidenciado na recentes assembleias sinodais, «a incerteza nas condições de trabalho muitas vezes acaba por aumentar as pressões e os problemas da família».

Discurso do Papa (link)

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

14 de Outubro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS