Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Em prol da liberdade e da justiça

· ​No dia 21 de julho, oração e jejum ·

 A Conferência episcopal convocou para sexta-feira, 21 de julho, um dia de oração e de jejum pela liberdade, justiça e paz na Venezuela, a fim de – lê-se numa nota – «pedir a Deus que abençoe os esforços dos venezuelanos» para alcançar a convivência fraterna no país. Os bispos recordam que a nível diocesano e paroquial foram realizadas outras iniciativas deste tipo, durante as quais «milhares de pessoas manifestaram a sua fé através de procissões, vigílias de oração, terços, para pedir a Deus o seu apoio neste momento crucial». O episcopado convida a «não se deixar roubar a esperança que torna possível, com a ajuda de Deus, o que parece impossível, a fim de comunicar esperança e ser protagonistas deste momento histórico e do futuro do nosso país».

Tem como título «Não ouvidos. Um povo exausto pede os seus direitos fundamentais», o dossier produzido pela Cáritas italiana em que sublinha a dramática situação do povo venezuelano que só exige o respeito dos direitos fundamentais. Para enfrentar as emergências da população, a Conferência episcopal italiana (CEI), graças aos fundos de 8 x 1000, disponibilizou quinhentos mil euros em apoio às intervenções da Cáritas para ajudas em âmbito alimentar, higiénico e sanitário em prol de 4800 famílias residentes em dez dioceses.

A crise humanitária está a pôr à dura prova a Venezuela, confinando este país numa espiral perigosa. De acordo com alguns dados do Observatório de Cáritas Venezuela, com uma inflação já acumulada de 700 por cento, a pobreza já afetou 82 por cento da população. Há uma necessidade urgente de respostas que não sejam violência e repressão, especialmente em relação aos mais jovens, que não têm nada para comer, nem podem comprar medicamentos e outros géneros de primeira necessidade. Em 2016, mais de onze mil crianças faleceram por falta de medicamentos e a mortalidade materna aumentou cerca de 70 por cento. Precisamente sobre estes aspetos se estão a concentrar os esforços da Cáritas local.

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

25 de Setembro de 2017

Próximos eventos

NOTÍCIAS RELACIONADAS