Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Em nome da família humana

Uma denúncia clara e realista de uma situação intolerável: cresce o número de quem sofre a fome, mas não se toma consciência disso. É Bento XVI quem fala nestes termos na fao, o organismo das Nações Unidas que se ocupa da alimentação e da agricultura o qual reuniu uma cimeira mundial sobre a segurança alimentar. Com um discurso pelo qual o bom senso deveria demonstrar interesse e respostas concretas, pois provém de uma autoridade para a qual olham com confiança  muitíssimas pessoas em todas as partes do planeta, também fora do âmbito da Igreja católica.

Em continuidade com a encíclica Caritas in veritate e com o ensinamento dos seus predecessores, o Papa repete que o drama da pobreza – do qual «a fome é o sinal mais cruel e concreto» – não depende do aumento da população. Este é um dado adquirido e é negado apenas por motivações ideológicas ou pela defesa de interesses e privilégios. Já Paulo VI o disse nas duas encíclicas irmãs em defesa da vida humana (Populorum progressio e Humanae vitae), depois repetiu-o várias vezes  João  Paulo  ii  e  hoje  reafirma-o o seu sucessor, encorajado também por um consenso que agora começa a difundir-se até nos organismos internacionais.

O longo discurso do Papa merece atenção porque é realista. Interpela sobretudo as autoridades civis e os componentes da Comunidade internacional. E fá-lo com um olhar lúcido que vê «a debilidade dos actuais mecanismos da segurança alimentar» e sugere mudanças. Em nome da Igreja católica – como fez Paulo vi em 1965, quando pela primeira vez um Papa falou diante dos representantes de todos os povos da terra – e sem pretensão alguma de interferir nas opções políticas.

Ou seja, em nome de uma realidade mundial preocupada unicamente com a defesa de cada pessoa humana. E o critério da «pertença comum à família humana universal» é o único – ressaltou com vigor Bento XVI – em nome do qual «se pode eXIgir que cada povo, e portanto cada país, seja solidário». Com um apelo, portanto, à razão que impõe com urgência uma mudança na agenda internacional: pondo fim à escandalosa destruição de géneros alimentares, modificando os mecanismos das ajudas internacionais e da cooperação, redesenhando as próprias relações entre as Nações e voltando a olhar com atenção para o mundo rural, tutelando o meio ambiente.

Podemos perguntar-nos  se o raciocínio lúcido e concreto de Bento XVI será ouvido, se as suas palavras serão  consideradas. Talvez muitos as ignorem – e neste aspecto é fundamental o papel da mídia internacional – e outros recorrerão aos estereótipos de uma Igreja católica obscurantista face a uma presumível superpopulação mundial. Mas não será fácil: de facto, o Papa reafirmou que a Igreja é «respeitadora do saber e dos resultados das ciências,  assim  como  das  opções  determinadas  pela  razão». É em nome da razão, assim como em nome da fé, que ele fala.

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

22 de Setembro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS