Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Em busca dos sinais de Deus num mundo distraído

· Primeiro tweet lançado por Bento XVI no final da audiência geral na Sala Paulo VI ·

«Queridos amigos, é com alegria que me uno a vós através do Twitter. Obrigado pela vossa resposta generosa. Abençoo-vos a todos de coração». No final da audiência geral de quarta-feira de manhã, 12 de Dezembro, de um tablet que lhe foi oferecido por quatro jovens, Bento XVI lançou o seu primeiro «tweet» na rede do account @pontifex, onde os followers já são mais de um milhão.

Um gesto explicado indirectamente durante a catequese, quando o Pontífice frisou que «Deus não se retirou do mundo, não está ausente, mas vem ao nosso encontro de diversos modos, que devemos aprender a discernir». E entre os espaços nos quais é possível discernir os sinais da presença de Deus no mundo encontram-se também os novos instrumentos que a tecnologia põe à disposição para comunicar, sobretudo no ambiente dos jovens. Na sua reflexão, toda dedicada ao tempo do Advento, o Papa tinha começado com a premissa de que Deus manifesta o seu rosto em Jesus de Nazaré e pede ao homem a decisão de o reconhecer e seguir: «O revelar-se de Deus na história – disse a propósito – para entrar em relação de diálogo e de amor com o homem, confere um sentido novo a todo o caminho humano». E deste modo «a história não é um simples suceder-se de séculos, mas o tempo de uma presença que abre para uma  esperança sólida». Eis o motivo do convite de Bento XVI, sobretudo neste Ano da fé, a retomar  «nas mãos a Bíblia com maior frequência para a ler e meditar, e a prestar mais atenção às Leituras da missa dominical». De resto, para os cristãos a palavra Advento «indica uma realidade maravilhosa e perturbadora: Deus atravessou o seu Céu e inclinou-se sobre o homem; estabeleceu aliança com ele entrando na história». Eis então que o tempo litúrgico em preparação para o Natal «nos recorda sempre de novo» esta presença divina nas vicissitudes humanas; por isso também nós «com a nossa fé, a nossa esperança e a nossa caridade, somos chamados todos os dias a distinguir e a testemunhar esta presença, no mundo muitas vezes superficial e distraído».

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

16 de Setembro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS