Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Em Busca do Deus próximo

· Bento XVI em visita à diocese da capital da Lombardia preside aos momentos conclusivos do VII Encontro mundial das famílias ·

A mensagem de fraternidade e de paz da nona sinfonia de Beethoven dirigida na Scala pelo maestro Barenboim

O homem procura um Deus que «não domina à distância» mas que lhe está próximo e entra na sua vida para suscitar «uma fraternidade que, no meio dos sofrimentos, apoio o outro e ajuda a ir em frente». Do pódio da Scala de Milão o Papa fala da mensagem de alegria da nona Sinfonia de Beethoven – acabada de executar diante dele pela orquestra e pelo coro do Teatro dirigida por Daniel Barenboim – mas não esquece «a sombra do terramoto» que atingiu nos dias passados as populações da Emília. E assim nas suas palavras  o hino à «convivência fraterna dos povos» que brotou do génio do músico alemão torna-se a ocasião para uma comovedora reflexão sobre a bondade de um Deus que «desceu aos nossos sofrimentos e o continua a fazer»: não para nos deixar «paralisados pela dor», explica o Pontífice, mas antes para nos tornar «capazes de partilhar o sofrimento do próximo e de o transformar em amor».

O concerto no «templo da Opera» ambrosiano encerra na sexta-feira 1 de Junho a intensa primeira tarde vivida por Bento XVI na capital lombarda, onde se está para concluir o sétimo Encontro mundial das famílias. À sua chegada à praça da Catedral foi acolhido pelo entusiasmo de milhares de pessoas, às quais o Papa – respondendo às saudações do Presidente da Câmara Municipal Pisapia e do cardeal arcebispo Angelo Scola – pede uma «generosa solidariedade» cada vez maior com quem é vítima da crise económica  e recorda a necessidade de uma convergência entre laicidade positiva e fé em vista da construção do bem comum.

O segundo dia do Papa em Milão inicia no sábado de manhã com a Hora média celebrada na catedral da cidade com os sacerdotes, os seminaristas e os consagrados. A eles faz o convite a servir a Igreja «sem cansaço e com coragem», olhando «com confiança para o futuro». Convite renovado depois durante o jubiloso encontro no estádio Meazza com os jovens e as moças da Crisma, aos quais o Pontífice confia a tarefa da santidade como «caminho normal do cristão».

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

13 de Novembro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS