Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Em busca de um espaço de paz

· Durante o Angelus em Castel Gandolfo o Papa fala da sua próxima viagem ao Líbano ·

E numa mensagem ao encontro de Sarajevo apela ao diálogo entre crentes e não crentes como antídoto à violência

Um domingo no sinal da paz. Foi o sentido que teve a jornada de ontem, 9 de Setembro, nas palavras e nas intenções do Papa. Uma antecipação, num certo sentido, daquilo que será a já próxima viagem internacional que Bento XVI fará, a partir de sexta-feira próxima, 14 de Setembro, ao Líbano, mas simbolicamente aberto a toda a região do Médio Oriente. E precisamente daquela terra o Papa falou aos fiéis reunidos em Castel Gandolfo para o habitual encontro da recitação do Angelus. Recordou o drama dos sofrimentos causados às populações por tantos anos de guerras e manifestou a sua intenção de as visitar para as ajudar a não se resignarem à violência e ao expandir-se das tensões, mas a procurarem as vias do diálogo e da coexistência para criar um futuro de paz. Apelo que repetiu na mensagem assinada pelo cardeal secretário de Estado Tarcisio Bertone, enviada aos participantes no encontro internacional para a paz organizado em Sarajevo pela Comunidade de Santo Egídio. Uma ligação oportuna entre duas realidades, o Líbano e a Bósnia e Herzegovina, ambos países multi-étnicos e multi-culturais por definição, que conheceram o drama da violência da guerra e que agora, talvez de formas diferentes, estão a mostrar, ou contudo pretendem testemunhar ao mundo, que é possível encontrar o caminho da convivência pacífica no diálogo e na busca da verdade. «Viver juntos é o futuro» lê-se na mensagem. Votos aos quais faz eco o effatà («abre-te») do Evangelho dominical que ressoou, em Castel Gandolfo durante o Angelus, como um convite a sair do isolamento e a pôr-se em relação com Deus e com todos os homens. O Papa está convicto de que o diálogo é o único caminho para a consecução da paz e da reconciliação na martirizada região do Médio Oriente. Um diálogo confiado à responsabilidade «de todas as partes envolvidas» que abranja «a comunidade internacional, cada vez mais consciente da importância para todo o mundo de uma paz estável e duradoura em toda a região».

A tradução em árabe das palavras sobre a viagem ao Líbano pronunciadas pelo Papa no Angelus

A saudação do Papa em italiano

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

23 de Novembro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS