Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Em busca de ligação

· Conclusão das pregações de Advento no Vaticano ·

Como quando, durante uma viagem, se mexe prolongadamente com o telemóvel para procurar a rede à internet até que, finalmente, aparece no ecrã a ligação efetuada que «apresenta diante de nós o mundo inteiro», assim o cristão deve procurar a ligação contínua «com Jesus ressuscitado e vivo», fazendo de maneira que a própria vida seja «cheia de Jesus quanto mais instantes melhor», sem interrupções. Com esta imagem ligada ao dia a dia, o capuchinho Raniero Cantalamessa, procurou representar o significado do Natal como presença viva de Jesus na existência de cada pessoa. Fê-lo na segunda e última pregação de Advento apresentada na manhã de sexta-feira 22 de dezembro, na capela Redemptoris Mater do Palácio apostólico, na presença do Papa Francisco.

Não se trata, explicou o pregador, «de estar todo o tempo a pensar em Jesus, mas de “se dar conta” da sua presença, abandonar-se à sua vontade, dizer-lhe rapidamente “Amo-Te”». E, disse continuando a metáfora, se o wi-fi garante o acesso ao «pobre e trágico mundo dos homens», com Cristo «abre-se diante de nós o mundo de Deus, porque Cristo é a porta, é o caminho que insere na Trindade e no infinito».

A meditação do padre Cantalamessa, depois daquela da semana passada dedicada ao lugar que Cristo ocupa na criação, focalizou o lugar que ele «ocupa na história humana: depois da sua presença no espaço, a do tempo». Uma reflexão que, partindo de considerações teológicas, de alcance universal, encontrou declinação natural num exame de consciência para cada cristão. Com efeito, há séculos o passar do tempo calcula-se considerando o nascimento de Cristo como ponto central, se a Igreja anuncia a presença atual de Cristo como «sacramento» e se Cristo «é o baricentro do tempo e da história», então cada homem deve questionar-se: «Cristo é também o centro da minha vida, da minha pequena história pessoal? Do meu tempo?». Perguntas que ajudam a compreender se aquela verdade teológica é «só pensada ou também vivida».

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

20 de Setembro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS