Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Ecumenismo dos coros

Uma oração em chinês «pelos cristãos perseguidos» e outra para que as políticas de todos os governantes sejam a favor da justiça e da paz ritmaram a missa celebrada pelo Papa Francisco na basílica vaticana, na manhã de quarta-feira 29 de junho, solenidade dos santos padroeiros de Roma. 

Depois da celebração eucarística, o Pontífice entregou pessoalmente o pálio nas mãos de vinte e dois novos arcebispos metropolitas. Dando continuidade à novidade introduzida no ano passado para frisar o vínculo com a Igreja local, a verdadeira imposição do pálio terá lugar, nas dioceses de origem dos metropolitas nomeados durante o ano, pela mão do representante pontifício. Assim será para os três metropolitas nomeados de recente que não puderam participar no rito em São Pedro.

Dos vinte e dois prelados presentes, cinco são italianos, quatro brasileiros, dois espanhóis, dois equatorianos e dois mexicanos, enquanto contam com uma sede metropolitana França,Bélgica e Estados Unidos da América, Cuba, Antilhas e Polónia.

Os cânticos foram executados pela Capela Sistina, dirigido por monsenhor Palombella, juntamente com o coral luterano bávaro Windsbacher Knabenchor e o prestigioso e antigo coro anglicano New College Oxford. Continua assim o projeto ecuménico, iniciado em 2012, que prevê a participação de coros de outras comunidades cristãs na lógica de procurar percursos de unidade, reencontrando as fontes comuns.

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

25 de Agosto de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS