Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Ecumenismo debaixo da grande tenda

· ​Mensagem do cardeal Turkson ao fórum sobre a pastoral dos circenses e dos parquistas ·

No ecumenismo o diálogo «exige a confiança e a capacidade de olhar para o outro através do prisma da fé» e impõe a renúncia «a qualquer forma de suspeita e de competição», sublinhou o cardeal Peter Kodwo Appiah Turkson, prefeito do dicastério para o Serviço do desenvolvimento humano integral, numa mensagem dirigida aos membros do conselho geral do Fórum das organizações cristãs para a pastoral dos circenses e parquistas. Como todos os anos, o organismo reuniu-se de 22 a 24 de janeiro, no Principado de Mónaco, por ocasião da semana de oração pela unidade dos cristãos e concomitantemente com o festival internacional do circo em Monte Carlo. Na mensagem o purpurado recordou que o diálogo ecuménico «solicita uma maior abertura às exigências do mundo de hoje», evocando em particular o compromisso conjunto «para a solução dos conflitos e para a construção das relações baseadas no amor e no reconhecimento da igual dignidade de todos os filhos de Deus». Um convite evocado precisamente pelo tema escolhido para o encontro – «Estar juntos em diálogo» – cujo objetivo é expressar «o desejo de fortalecer a comunhão e a fraternidade num diálogo aberto e respeitador, paciente e generoso». O tema, sublinhou o prefeito, é muito querido ao Papa Francisco, que na encíclica Laudato si' o indica «como meio e instrumento para enfrentar os problemas do nosso planeta e procurar soluções realmente eficazes». Um diálogo autêntico está de facto na base «de cada relação interpessoal e favorece a “cultura do encontro” da qual o Pontífice fala frequentemente».

A capacidade de diálogo, de relação e de comunhão com Deus e com os outros é, por conseguinte, «pressuposto de crescimento autêntico, amadurecimento e santificação da pessoa humana». Ao mesmo tempo, realçou o cardeal, a abertura ao outro no diálogo, a troca de dons e o encontro fraterno levam, «sob a guia do Espírito Santo, à verdade, à reconciliação e à cura das relações».

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

13 de Novembro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS