Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

E Paulo VI
celebrou em italiano

· A 7 de Março Francisco na igreja romana de Todos os Santos para recordar a inauguração das novas normas litúrgicas do Vaticano II ·

No sábado, 7 de Março, às 18h, o Papa Francisco celebrará a missa na paróquia romana de Todos os Santos na via Ápia Nova. Deste modo, o Pontífice recordará, na mesma igreja há cinquenta anos exactos, a missa que o Papa Paulo VI celebrou pela primeira vez em italiano, segundo as renovadas normas litúrgicas estabelecidas pelo concílio Vaticano II. A seguir publicamos um excerto da homilia que o Pontífice pronunciou a 7 de Março de 1965.

O que estamos a fazer? Este é o momento das reflexões e insere-se no Rito sagrado para suscitar os pensamentos que o devem acompanhar. Estamos a actuar uma realidade que, por si mesma, se apresenta solene e tem dois aspectos: um extraordinário; tem o outro habitual e ordinário. 

Extraordinária é a hodierna nova maneira de rezar, de celebrar a Santa Missa. Inaugura-se hoje a nova forma da Liturgia em todas as paróquias e igrejas do mundo, para todas as Missas seguidas pelo povo. É um grande evento que deve ser recordado como princípio de jubilosa vida espiritual, como um compromisso novo na correspondência ao grande diálogo entre Deus e o homem.

De hoje em diante, norma fundamental é rezar compreendendo cada frase e palavra, completá-las com os nossos sentimentos pessoais e uniformizá-los em conformidade com a alma da comunidade, que faz coro connosco.

Há também outra circunstância que torna singular a solenidade hodierna: a presença do Papa que, por si só, autoriza a ressaltar tudo pode tornar-se útil para a nossa vida cristã.

De resto, se quisermos considerar o segundo aspecto, isto é, o que é habitual nessas assembleias, tudo – sabemo-lo – apresenta um carácter precioso e digno da nossa reflexão. E em primeiro lugar: o que é o Rito que estamos a celebrar? É um encontro de quem oferece o Sacrifício Divino com o povo que assiste. Tal encontro deve ser, contudo, pleno e cordial. Por conseguinte, não é errado que o celebrante – neste caso o Papa – transmita muitas vezes aos participantes a saudação característica: o Senhor esteja convosco!

Eis: o Papa repete os bons votos não só ao dirigir-se com gesto afectuoso aos presentes, mas exprimindo o propósito de alcançar a inteira população cristã desta cidade, da santa Diocese de Pedro e Paulo, a Diocese de Roma. Por isso, de todo o coração, com toda a força que Deus põe na sua voz, no seu ministério, o Santo Padre exclama ao povo romano: que Deus esteja contigo!

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

17 de Setembro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS