Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Do Benim o caminho da fraternidade na justiça

· Cerimónia de despedida no aeroporto internacional ·

Na tarde de domingo 20 de Novembro, Bento XVI despediu-se do Benim. No aeroporto internacional de Cotonou, o Papa foi primeiro saudado pelo presidente da República Thomas Boni Yayi, que realçou o modo como «a visita papal permitiu constatar o fervor das Igrejas e das populações da África, confirmando a fé de milhões de cristãos e fortalecendo-os na esperança». Estas foram as palavras proferidas pelo Sumo Pontífice.

Excelentíssimo Senhor Presidente

Venerados Cardeais e Bispos

Ilustres Autoridades presentes

Queridos amigos!

A minha viagem apostólica à terra africana está a terminar. Sinto-me agradecido a Deus por estes dias passados, jubilosa e cordialmente, convosco. Agradeço-lhe, Senhor Presidente, as suas amáveis palavras e os múltiplos esforços feitos para tornar aprazível a minha estadia. Agradeço também às diversas autoridades deste país e a todos os voluntários que contribuíram generosamente para o bom êxito destes dias. Não esqueço a população inteira do Benim, que me recebeu com caloroso entusiasmo. A minha gratidão estende-se igualmente aos membros da Igreja Católica, aos vários Presidentes das Conferências Episcopais nacionais e regionais, que viajaram até cá, e naturalmente, de maneira muito particular, aos Bispos do Benim.

Desejei visitar uma vez mais o continente africano, pelo qual sinto uma estima e um afecto particular, porque estou intimamente convencido de que é uma terra de esperança — como aliás já o disse várias vezes. Aqui encontram-se valores autênticos, capazes de servir de inspiração para o mundo, que nada mais pedem senão poder desenvolver-se com a ajuda de Deus e a determinação dos africanos. Para isto pode contribuir validamente a Exortação Apostólica pós-sinodal Africae munus , pelas perspectivas pastorais que abre e as interessantes iniciativas que há-de suscitar. Confio-a a todos os fiéis africanos, que saberão estudá-la com atenção e concretizá-la na sua vida diária. O Cardeal Gantin, ilustre filho do Benim cuja estatura foi de tal modo reconhecida que este aeroporto tem o seu nome, participou comigo em numerosos Sínodos, tendo sabido prestar-lhes uma contribuição essencial e apreciada. Possa ele acompanhar a actuação deste documento.

Durante esta visita, pude encontrar diversas componentes da sociedade do Benim e membros da Igreja. Estes numerosos encontros, muito diversos na sua natureza, testemunham a possibilidade de uma coexistência harmoniosa no seio da nação e entre a Igreja e o Estado. A boa vontade e o respeito mútuo não só favorecem o diálogo, mas são essenciais para construir a unidade entre as pessoas, as etnias e os povos. Aliás, a primeira das três palavras do vosso lema nacional é «Fraternidade». Viver juntos como irmãos, apesar das legítimas diferenças, não é uma utopia. Porque é que um país africano não poderia apontar ao resto do mundo a estrada a seguir para se viver uma autêntica fraternidade na justiça, fundada na grandeza da família e do trabalho? Que os africanos possam viver reconciliados na paz e na justiça. Tais são os votos que formulo, com confiada esperança, antes de deixar o Benim e o continente africano.

Senhor Presidente, renovo-lhe os meus sinceros agradecimentos que estendo a todos os seus concidadãos, aos bispos do Benim e a todos os fiéis da nação. Desejo também encorajar o continente inteiro a ser cada vez mais sal da terra e luz do mundo. Pela intercessão de Nossa Senhora da África, peço a Deus que vos abençoe a todos.

ACƐ MAWU TƆN NI KƆN DO BENIN TO Ɔ BI JI

[ Deus abençoe o Benim ]!

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

22 de Setembro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS