Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Deus na história

Com uma reflexão fora do comum sobre a presença de Deus na história e o papel importante de quem o procura Bento XVI ofereceu em Assis uma grande contribuição para facilitar, segundo a imagem bíblica, o caminho da paz. Um caminho irregular e cheio de dificuldades, muitas vezes sangrentas — indignas do homem e que ultrajam a Deus — que no entanto grande parte da humanidade sonha e quer percorrer. Como as muitíssimas pessoas apinhadas nas estações de Terni, Spoleto e Foligno para saudar o Papa e as delegações que o acompanharam.

Para a construção da paz o Pontífice pronunciou palavras importantes, certamente não circunstanciais. Desde o encontro desejado por João Paulo II e realizado na cidade de são Francisco, alter Christus, passou-se um quarto de século. O que aconteceu desde então, a que ponto está a causa da paz, interrogou-se o Papa. Três anos mais tarde, em 1989, a paz pareceu mais próxima com a queda do muro de Berlim: com efeito, então foi derrotada, sem derramamento de sangue, a divisão do mundo em dois blocos opostos, eliminando os sonhos maus da guerra nuclear sobre os quais Paulo VI tinha falado perante as Nações Unidas.

Uma vitória da liberdade e da paz, em parte também da liberdade de crer, uma vitória — analisou com lucidez Bento XVI — devida a muitas causas, mas realizada sobretudo porque «por detrás do poder material, já não havia qualquer convicção espiritual». Depois, o olhar do Papa sobre a história alcançou o hoje, a liberdade sem orientação e as novas faces da discórdia e da violência. Daqui a denúncia do terrorismo, com frequência motivado e justificado religiosamente. Mas «esta não é a religião verdadeira» entoou com força pacata o Pontífice, repetindo palavras pronunciadas muitas vezes nestes anos.

E se é verdade que na história também em nome da fé cristã se recorreu à violência, isto foi um abuso, reconheceu Bento XVI no sulco dos seus predecessores, confirmando o desejo de purificação incessante da qual em nome da Igreja católica, e com a humildade que o caracteriza, mais uma vez dá o exemplo repetindo a antiga convicção: Ecclesia semper reformanda. Com a confiança de que este processo possa ampliar-se às outras religiões e ser compreendido por todos através da razão. Inclusive por quantos não se reconhecem em religião alguma, mas estão em busca da verdade, como pareceu claro pela presença deles em Assis, a qual constituiu a grande novidade deste encontro.

A purificação é também a resposta mais clara a dar à crítica — nascida do iluminismo e que hoje é continuamente apresentada pelos «inimigos da religião» — segundo a qual nada poderia vir das religiões senão violência. Ao contrário, são precisamente a ausência e a negação de Deus que originam a violência, como demonstram os horrores dos campos de concentração e a adoração ao dinheiro e ao poder: um exemplo é a difusão global das drogas, chaga assustadora que destrói a paz e que Bento XVI denunciou muitas vezes.

Desmentindo mais uma vez estereótipos infundados, o Papa vai em frente e repropõe com vigor a causa da paz. Que se constrói procurando o único Deus. Por isso Bento XVI quis que estivessem presentes em Assis também intelectuais não crentes, deixando sem argumentos os «ateus combativos» e exigindo que os fiéis purifiquem a própria fé e não dêem escândalo, ofuscando assim a transparência de Deus. Cujo nome, segundo as palavras do apóstolo Paulo, é «Deus de amor e de paz», o Senhor da história que se encarnou para salvar o mundo.

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

23 de Setembro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS