Nota

Este site utiliza cookies...
Os cookies são pequenos arquivos de texto que ajudam a melhorar a sua experiência de navegação no nosso site. Ao navegar em qualquer parte deste site você autoriza a utilização dos cookies. Poderá encontrar maiores informações sobre a policy dos cookies nas Condições de utilização.

Deus ama como uma mãe

· No Angelus o Papa fala do mês dedicado ao Coração de Jesus símbolo da misericórdia ·

E em duas mensagens relança o valor da missa e o sentido autêntico dos dez mandamentos

Deus ama como uma mãe e o fruto deste amor, desta misericórdia, é a vida: no Angelus de domingo, 9 de Junho, o Papa Francisco falou do amor de Deus inspirando-se no episódio da viúva de Nain, narrado pelo Evangelho de Lucas (7, 11-17). No mês «tradicionalmente dedicado ao Sagrado Coração de Jesus, máxima expressão humana do amor divino», o Pontífice guiou a oração mariana com os numerosíssimos fiéis que enchiam a praça de São Pedro, frisando que «a misericórdia de Jesus não é só um sentimento, aliás, é uma força que dá vida, que ressuscita o homem». A “compaixão” - acrescentou – é «o amor de Deus pelo homem, é a misericórdia, isto é, a atitude de Deus em contacto com a miséria humana, com a nossa indigência, o nosso sofrimento, a nossa angústia». E «o fruto deste amor, desta misericórdia» é precisamente a vida. Por isso é bom pensar, disse ainda o Santo padre, que «a misericórdia de Deus dá vida ao homem, o ressuscita da morte». Eis por que a exortação a não ter «receio de nos aproximar-mos d'Ele! Ele tem um coração misericordioso! Se lhe mostrarmos as nossas feridas interiores, os nossos pecados, Ele – concluiu o Papa Francisco – perdoa-nos sempre. É misericórdia pura! Vamos ao encontro de Jesus!».

E o modo mais directo para ir ao encontro de Jesus, para o encontrar, é a Eucaristia. Por isso o Pontífice desejou «que a Santa Missa nunca caia numa rotina superficial», convidando a haurir «cada vez mais da sua profundidade». Fê-lo na mensagem aos participantes no Congresso eucarístico nacional alemão, que foi lida na manhã de domingo durante a celebração conclusiva pelo enviado especial do Papa a Colónia, o cardeal Paul Josef Cordes. O tema do amor divino tinha sido antecipado no sábado à noite na mensagem vídeo com a qual o Papa Francisco se uniu aos participantes na iniciativa «10 praças para 10 mandamentos» promovida por Renovação no Espírito da Itália. Os mandamentos – disse entre outras coisas - «indicam um caminho de liberdade, que encontra plenitude na lei do Espírito escrita não em tábuas de pedra, mas no coração».

Edição em papel

 

AO VIVO

Praça De São Pedro

12 de Novembro de 2019

NOTÍCIAS RELACIONADAS